Diálogos construídos com professoras alfabetizadoras: quem ensina e quem aprende com o ensino remoto?

Autores

  • Ilsa do Carmo Vieira Goulart Universidade Federal de Lavras – UFLA
  • Giovanna Rodrigues Cabral Universidade Federal de Lavras - UFLA
  • Ludmila Magalhães Naves Universidade Federal de Lavras - UFLA

DOI:

https://doi.org/10.30905/rde.v6i1.542

Palavras-chave:

Formação Docente, Professor Alfabetizador, Ensino Remoto

Resumo

Diante das recomendações de isolamento e distanciamento social, a instauração do ensino remoto emergencial foi a estratégia utilizada pelas instituições de ensino para minimizar as lacunas deixadas na educação das crianças nos anos de 2020 e 2021, no Brasil. Assim, com a proposição de ações pedagógicas a serem realizadas em casa, distantes da escola, as redes públicas de ensino estão enfrentando o desafio de garantir a aprendizagem dos estudantes em tempos de isolamento social e fechamento das escolas, decorrentes do contexto pandêmico provocado pelo Coronavírus (COVID-19). Frente a esta situação inusitada da educação, pode-se questionar: quem ensina e quem aprende neste contexto de ensino remoto? A partir desta provocação, este texto pretende debater sobre as condições da docência no formato remoto e os espaços diferenciados para a elaboração e efetivação dos processos de ensinar e de aprender, buscando refletir sobre as percepções das práticas educativas em ambientes remotos e os impactos na formação inicial docente. Para isso, apresenta-se um relato de experiência a partir das ações formativas desenvolvidas nos componentes curriculares Práticas de Alfabetização e Letramento e Estágio em Alfabetização e Letramento, lecionados para estudantes do curso de Pedagogia, trazendo situações de diálogos com professoras alfabetizadoras sobre os processos de ensinar e de aprender em circunstâncias remotas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ilsa do Carmo Vieira Goulart, Universidade Federal de Lavras – UFLA

Estágio Pós-doutoral na Universidad Autónoma de Barcelona, Doutora e Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Campinas, especialista em Psicopedagogia e graduada em Letras. Atua como professora do Departamento de Educação da Universidade Federal de Lavras – UFLA e como coordenadora do Núcleo de Estudos em Linguagens Leitura e Escrita – NELLE. http://orcid.org/0000-0002-9469-2962  E-mail: ilsa.goulart@ufla.br

Giovanna Rodrigues Cabral, Universidade Federal de Lavras - UFLA

Doutora em Ciências Humanas-Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Mestra em Educação e Especialista em Gestão da educação municipal.  Atua como professora do Departamento de Educação e do Mestrado profissional em Educação da Universidade Federal de Lavras – UFLA e como coordenadora adjunta do Núcleo de Estudos em Linguagens Leitura e Escrita – NELLE. http://orcid.org/0000-0002-4780-516X . E-mail: giovanna.cabral@ufla.br

Ludmila Magalhães Naves, Universidade Federal de Lavras - UFLA

Mestra em Educação pela Universidade Federal de Lavras – UFLA, Especialista em Educação Infantil, Especialista em Arte Educação, Especialista em Educação Especial Inclusiva, Graduanda em Pedagogia e Bacharel em Administração. Atua como professora do Departamento de Educação da Universidade Federal de Lavras – UFLA e como pesquisadora do Núcleo de Estudos em Linguagens Leitura e Escrita – NELLE. http://orcid.org/0000-0001-8092-3611  E-mail: ludmilanaves@ufla.br

Referências

ARROYO, Miguel G. Ofício de mestres: imagens e auto imagens. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n.º 5/2020. Brasília: Conselho Nacional de Educação, 28 abr. 2020. Disponível em:< http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=145011-pcp005-20&category_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192 >. Acesso em: 18 set. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Gabinete do Ministro. Portaria nº 343, de 17 de março de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus - COVID-19. Diário Oficial da União, Brasília, DF, ed. 53, 18 mar. 2020. Seção 01, p. 39.

CANDAU, Vera Maria. Formação continuada de professores: tendências atuais. In: CANDAU, Vera Maria. (Org.). Magistério: construção cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1997.

COPERTARI, Susana; LOPES; Claudio Neves. Pedagogia da virtualização em tempos de pandemia. Revista Científica Educ@ção, Miracatu, SP, v.4, n.8, out. 2020. Dossiê: Educação em tempos de COVID19.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil platôs - capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Suely Rolnik. São Paulo: Ed. 54, 1997. vol. 4.

FREIRE, Paulo. Política e educação: ensaios. 4. ed. São Paulo, Cortez, 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

PAULO, Freire. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

GOULART, Ilsa do Carmo Vieira. Entre o espaço de ensino e a formação docente: práticas de leitura e escrita, Revista Educação PUC-CAMP., Campinas, p.211-222, maio/ago. 2013. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/2030 Acesso em: 28 jan. 2021.

LAVRAS. Resolução do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, nº 089, de 29 de julho de 2020, pela Universidade Federal de Lavras.

LAVRAS. Resolução n.º 01, de janeiro de 2021. Dispõe sobre a organização do estágio obrigatório supervisionado no período de vigência do Estudo Remoto Emergencial, no âmbito do curso de Licenciatura em Pedagogia (presencial). Lavras: COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA, 2021.

MAGGIO, Mariana. Enseñar en Tiempos de Pandemia. Departamento de Educación a Distancia. 2° Webinar - Educación y creatividad en tiempos de #coronavirus. En:
http://www.youtube.com/watch?v=lvy5QZ5Qk04 . Buenos Aires, 5 de marzo de 2020. Recuperada el 10 de marzo de 2020.

MAGGIO, Mariana. Clases virtuales: el desafío es que las plataformas no nos deshumanicen. Entrevista por Lidia Molina En: Redacción https://www.redaccion.com.ar/clases-virtuales-el-desafioes-que-las-plataformas-no-nos-deshumanicen/ Buenos Aires, 23 de marzo del 2020. Recuperada, 28 de marzo de 2020.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Nossas crianças não são nossas crianças: ou porque a escolar não é um ambiente de aprendizagem. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação, Brasília, n. 23, p. 282-297, nov./abr. 2015.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública.
2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

NÓVOA, Antonio. Professores Imagens do futuro presente. Lisboa Portugal : EDUCA, 2009.Disponível em: http://rosaurasoligo.files.wordpress.com/2017/04/antc3b3nio-nc3b3voa-professores-imagens-do-futuro-presente.pdf Acesso em: 03 dez. 2020.

SHÖN, Donald. Educando o professor reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-05-09

Como Citar

Goulart, I. do C. V., Cabral, G. R., & Naves, L. M. (2022). Diálogos construídos com professoras alfabetizadoras: quem ensina e quem aprende com o ensino remoto?. Devir Educação, 6(1), e–542. https://doi.org/10.30905/rde.v6i1.542

Edição

Seção

Dossiê tematico 2 - Alfabetização e Formação de Professores: limites e perspectivas