Educação da audição e valores estéticos na filosofia da nova música de Theodor Adorno

  • Alan Barcelos Ribeiro Conservatório Estadual Conservatório Estadual de Música Juscelino Kubistchek de Oliveira – Pouso alegre – MG.
  • Carlos Betlinski UFLA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS
Palavras-chave: Estética. Música. Educação musical.

Resumo

O artigo trata da “Filosofia da Nova Música” de Theodor Adorno e tem como problema de investigação saber quais são os valores estéticos apresentados pelo autor para identificar Schoenberg como o representante do progresso musical. Como objetivos específicos para esse trabalho foram definidos: a identificação das principais características estéticas nas obras musicais de Stravinsky e de Schoenberg e apontar alguns fundamentos filosóficos para diferenciar progresso e regressão na estética musical de Adorno. Ao caracterizar sua concepção estética como filosofia da arte, Adorno toma a produção e a recepção como expressões de uma relação dialética com o meio social e tece críticas especialmente a indústria cultural e a arte burguesa que tinham como propósito agradar o ouvido e permitir que os produtores e receptores estabelecessem uma relação de troca no mercado capitalista. Por isso, sua estética está assentada na crítica e na possibilidade de criação dissonante e autônoma, análises que foram realizadas no âmbito desta investigação que tem como foco a questão da música enquanto objeto estético de progresso ou regressão da audição.

Biografia do Autor

Alan Barcelos Ribeiro, Conservatório Estadual Conservatório Estadual de Música Juscelino Kubistchek de Oliveira – Pouso alegre – MG.

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da UFLA – Universidade Federal de Lavras. Professor de música no Conservatório Estadual Conservatório Estadual de Música Juscelino Kubistchek de Oliveira – Pouso alegre/MG, Brasil.

Carlos Betlinski, UFLA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação.

Área de atuação: Filosofia da educação.

Referências

ADORNO, Theodor W. O fetichismo na música e a regressão da audição. In Textos Escolhidos. São Paulo: Nova Cultura, 1996.
________. Filosofia da Nova Música. São Paulo: Perspectiva, 2011.
________. Prismas. São Paulo: Editora Ática, 1998.
________. Teoria Estética. Lisboa: Edições 70. 1998.
CARPEAUX, Otto Maria. O livro de ouro da história da música. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.
GRIFFITHS, Paul. A música moderna: uma história concisa e ilustrada de Debussy a Boulez. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, S/D.
JUPIASSÚ, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de filosofia. 4 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.
PALISCA, Claude V.; GROUT, Donald J. História da Música Ocidental. Portugal: Gradiva, 1994.
RIBEIRO, Felício Ramalho. Regressão auditiva: o impedimento da música como conhecimento em Theodor Adorno. 2009. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.
SCHAEFER, Sérgio. A teoria estética em Adorno. Tese (doutorado em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2012.
THOMSON, Alex. Compreender Adorno. Tradução de Rogério Bettoni. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.
Publicado
2020-08-12