Afluentes que irrigam os territórios dos discursos docentes sobre a inclusão de pessoas com deficiência nas salas de ensino regular

Autores

  • Jarlisse Nina Beserra da Silva Universidade Estadual do Maranhão - UEMA
  • Jackson Ronie Sá-Silva Universidade Estadual do Maranhão - UEMA
  • Marcia Raika e Silva Lima Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

DOI:

https://doi.org/10.30905/rde.v6i1.534

Palavras-chave:

Inclusão; Discurso; Escolarização; Pessoa com deficiência; Docente.

Resumo

Este artigo discute e propõe reflexões sobre os desdobramentos ideológicos que perpassam pelos discursos docentes e suas (re) significações a respeito da inclusão de alunos com deficiência nas salas de ensino regular no Brasil. A pesquisa tem caráter bibliográfico e de cunho qualitativo, a partir de uma abordagem crítico-dialética frente aos discursos docentes comumente produzidos no cotidiano escolar que se estruturam pelas forças de ordem conservadora próprias da sociedade capitalista e se estabelecem ora na defesa intransigente da garantia dos direitos à educação dos sujeitos com deficiência nas salas de ensino regular, ora em defesa do atendimento a este público em classes ou instituições especializadas. As análises realizadas evidenciam que estes discursos influenciam as práticas educacionais voltadas às pessoas com deficiência, sendo necessária uma reflexão docente crítica para a implementação de uma proposta educacional inclusiva. Faz-se necessário um repensar sobre a concepção que os professores estabelecem acerca do que seja a deficiência, que incite um fazer didático-pedagógico voltado para a possibilidade de superação das desigualdades diante de uma sociedade excludente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jarlisse Nina Beserra da Silva, Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Mestra em Educação Inclusiva pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Especialista em Arte Mídia e Educação pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA). Bacharela em Serviço Social pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA).  Licenciada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Professora da Rede Municipal   de   Educação   de   São   Luís –MA (SEMED).  

Jackson Ronie Sá-Silva, Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Professor Adjunto do Departamento de Biologia da Universidade Estadual do Maranhão (DBIO –UEMA) e Líder do Grupo de Pesquisa Ensino de Ciências, Saúde e Sexualidade (GP-ENCEX/ UEMA). Doutor em Educação pela UNISINOS. Pós-Doutor em Educação pela UFRGS; Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Maranhão (PPGE –Mestrado Profissional/UEMA).  Professor do Mestrado profissional em Educação Inclusiva em Rede (PROFEI) da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA).

Marcia Raika e Silva Lima, Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Doutora em Educação (UFPI). Mestre em Educação (UFPI). Especialista em Educação Especial e Inclusiva com ênfase na Neurociência (FAMART). Especialista em Supervisão Escolar (UFPI). Licenciada em Pedagogia (UFPI). Professora Adjunta do Departamento de Educação, campus Caxias. Professora do Mestrado Profissional em Educação Inclusiva em Rede (PROFEI) da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA).

Referências

ABDALLA, A. P. Representações de professores sobre a inclusão escolar. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, São Paulo, 2016.

ALMEIDA, M. A. Formação do professor para a Educação especial: história, legislação e competências. R. Educação Especial, Rio Grande do Sul, n. 24. p. 1-7, mar. 2004.

BAPTISTA, C. R. Ação pedagógica e educação especial: para além do AEE. In: JESUS, D. M.; BAPTISTA, C. R.; CAIADO, K. R. M. Prática pedagógica na educação: multiplicidade do atendimento educacional especializado. Araraquara: Junqueira & Marin, 2013. p. 43-61.

BEYER, H. O. A proposta da educação inclusiva: contribuições da abordagem vygotskiana e da experiência alemã. R. Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 9, n. 2, p. 163-180, jul./dez. 2003.

BEZERRA, G. F.; ARAUJO, D. A. C. Em busca da flor viva: para uma crítica ao ideário inclusivista em educação. R. Educ. Soc., Campinas, v. 34, n. 123, p. 573-588, abr/jun. 2013.

BEZERRA, G. F. Preparando a primavera: contribuições preliminares para uma crítica superadora à pedagogia da inclusão. R. Histedbr On-line, Campinas, n. 68, p. 272-287, jun. 2016.

BRASIL. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC, 2001. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res3_b.pdf>. Acesso em: 12 fev. 2021.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. São Paulo: Saraiva, 1996.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: MEC, 2008. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res4_b.pdf>. Acesso em: 12 fev. 2021.

BRASIL. Resolução n. 4. Brasília: MEC, 2009. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf>. Acesso em: 12 fev. 2021.

BOTTOMORE, T. Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.

BUENO, J. G. S. As Políticas de Inclusão Escolar: uma prerrogativa da educação especial? In: BUENO, J. G. S.; MENDES, G. M. L.; SANTOS, R. A. Deficiência e escolarização: novas perspectivas de análise. Araraquara: Junqueira & Marin; Brasília. 2008. p. 43-63.

CASSIN, M. Louis Althusser: referências para pesquisa em educação. In: LOMBARDI, J.C.; SAVIANI, D. (org.). Marxismo e educação: debates contemporâneos. 2. ed. Campinas: Autores Associados. 2008. p. 161-179.

CURY, C. R. J. Educação e contradição: elementos metodológicos para uma teoria crítica do fenômeno educativo. 6. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

DUARTE, N. Vigostky e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigostkiana. 2. ed. rev. Campinas. Autores Associados, 2001.

FOUCAULT, M. O que é a crítica? Espaço Michel Foucault. 1990. Disponível

em:. Acesso em: 14 fev. 2021.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREITAS, J. F. de.; ARAÚJO, P. F. de. Desafios da prática pedagógica na educação inclusiva: a realidade dos professores de Hortolândia-SP. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO ESPECIAL, 8., Londrina. Anais [...]. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2013. p. 324-337.

GAMBOA, S. S. Pesquisa em educação: métodos e epistemologia. Chapecó: Argos, 2007.

GARCIA, R. M. C. Políticas públicas de inclusão: uma análise no campo da educação especial brasileira. 2004. Tese (Doutorado em Educação) – Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

GARCIA, R. M. C. (Org.). Políticas de Educação Especial no Brasil no Início do Século XXI. Florianópolis: UFSC/CED/NUP, 2017.

GENTILLI, P. Três Teses sobre a relação trabalho e educação em tempos neoliberais. In: LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D.; SANFELICE, J. L. (Orgs.). Capitalismo, trabalho e educação. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2005. p. 45-59.

GLAT, R.; BLANCO, L. M. V. Educação Especial no Contexto de uma Educação Inclusiva. In: Glat, R. (org.). Educação Inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007.

GOMES, Nilma. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Brasília: Ministério da Educação, 2007.

GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. Tradução Carlos Nelson Coutinho. 10. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

JODELET, D.. Les représentation sociales: un domaine en expansion. In JODELET, D. Les représentations sociales: un domaine en expansion. Paris: Presses Universitaire de France, 1989.

LOPES, R. P. Pedagogia e Emancipação Humana. São Paulo: Editora Olho d’Água, 2000.

MARIN, M.; BRAUN, P. Ensino colaborativo como prática de inclusão escolar. In: GLAT, R.; PLETSH, M. D. Estratégias educacionais diferenciadas para alunos com necessidades Especiais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

MARX, K. Para a crítica da filosofia do Direito de Hegel: Introdução. Tradução de Artur Morão. Covilhã: LusoSofia, 2008.

MARX, K. Textos sobre educação e ensino. Campinas: Navegando, 2011. Disponível em: http://eventohistedbr.com.br/editora/wp-content/uploads/2011/09/ marx_engels_educacao_ensino_navegando_ebook.pdf. Acesso em: 13 fev. 2021.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Summus, 2015.

MENDES, E. G. Sobre alunos “incluídos” ou “da inclusão”: reflexões sobre o conceito de inclusão escolar. In: VICTOR, S. L.; VIEIRA, A. B.; OLIVEIRA, I. M. de. Educação especial inclusiva: conceituações, medicalização e políticas. Campos dos Goytacazes: Brasil Multicultural, 2017.

PRIETRO, R. G. et al. Inclusão escolar e constituição de políticas públicas. In: JESUS, D. M. de.; BAPTISTA, C. R.; CAIADO, K. R. M. Prática pedagógica na educação: multiplicidade do atendimento educacional especializado. p. 105-126, 2013. Disponível em: http://www.producao.usp.br/handle/BDPI/44411. Acesso em: 20 mar. 2021.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 14. ed. rev. Campinas: Autores Associados, 2002.

SAWAIA, B. B. Fome de felicidade e liberdade. In: CENPEC. Muitos lugares para aprender. São Paulo: UNICEF, 2003.

SCAVONI, M. P. P. Representações sociais de professores sobre inclusão e o projeto político pedagógico: a escola em movimento. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, São Paulo, 2016.

SEVERINO, Antônio Joaquim Metodologia do Trabalho Científico. Cortez, São Paulo, 2007.

SILVA, F. de C. T. Cultura escolar: quadro conceitual e possibilidades de pesquisa. R. Educar. UFPR, n. 28, p. 201-216, jul./dez. 2006.

SKLIAR, C. Introdução - abordagens socioantropológicas em educação especial. In: SKLIAR, C. (Org.). Educação e Exclusão: abordagens socioantropológicas em educação especial. 5. ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2006.

SOUZA, F. F et al. Políticas e práticas de educação inclusiva: condições e contradição no cotidiano de uma escola de ensino fundamental. R. Arizona State University, v. 22, n. 82, p. 1-24, ago. 2014.

VIÑAO, Frago; ESCOLANO, Agustin. Currículo, espaço e subjetividade: arquitetura como programa. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-10-24

Como Citar

Jarlisse Nina Beserra da Silva, Jackson Ronie Sá-Silva, & Marcia Raika e Silva Lima. (2022). Afluentes que irrigam os territórios dos discursos docentes sobre a inclusão de pessoas com deficiência nas salas de ensino regular. Devir Educação, 6(1), e–534. https://doi.org/10.30905/rde.v6i1.534