Surdo após egresso do curso de pedagogia: perspectiva de atuação na visão de docentes universitários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30905/rde.v6i1.501

Palavras-chave:

Educação, Formação Inicial de professores, Surdos, PEdagogia

Resumo

Este artigo traz um recorte de minha dissertação de mestrado defendida em 2021, cujo objeto de estudo foi formação de professores surdos, onde objetivou analisar o que dizem os professores ouvintes a respeito da formação inicial e da qualificação de universitários surdos para o exercício da docência nas séries iniciais da educação básica. Trata-se de um trabalho de pesquisa qualitativa, caracterizada por um estudo de caso envolvendo a participação de professores do curso de Pedagogia de uma faculdade privada do interior de São Paulo. Os procedimentos de produção dos materiais envolveram dois momentos específicos. O primeiro compreendeu o levantamento de informações sobre a visão dos docentes em relação aos processos formativos de universitários surdos, realizado por meio do desenvolvimento e da aplicação de um questionário semiestruturado, disponibilizado por meio da ferramenta Google Forms. No segundo, foram realizadas entrevistas, com perguntas abertas a dois responsáveis pelas disciplinas de metodologias de ensino e língua portuguesa escrita no curso em questão. Os questionários foram organizados em gráficos e analisados com as articulações dos enunciados retirados da entrevista. O estudo demonstrou aspectos importantes sobre a visão dos professores acerca da temática. Revelou situações que aludem à restrição na oferta de práticas pedagógicas que considerem as especificidades linguísticas e formativas do público em questão, bem como pouca flexibilidade para reconhecer que estes estariam capacitados para o exercício da atribuição profissional ao concluírem o curso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Aparecida Palermo Campos, Faculdade Estácio de Sá de Ourinhos (FAESO)

Mestra em Educação pela UNESP/Marília na Linha de Pesquisa: Educação Especial. Pedagoga, Especialista em Educação Especial Especialista em Estudos Linguísticos e Literários. Graduada em Licenciatura Letras com habilitação em Português e Inglês. Graduada em Pedagogia e Graduada em Licenciatura LETRAS/LIBRAS, com habilitação em Libras. É membra do grupo de Estudos Gepdi - Grupo de Estudos e Pesquisa em Deficiência e Inclusão e LALIS -Laboratório de Linguagem e Surdez, Unesp Marília - SP. Atualmente é Tradutora e Intérprete de Língua de Sinais (LIBRAS) na Faculdade Estácio de Sá de Ourinhos (FAESO).

Referências

AGAPITO, Francisca Melo. Formação de professores surdos que atuam no munícipio de Imperatriz-MA. 2015. 150 f. Orientadora: Andréia A. Guimarães Strohschoen. Dissertação. (Mestrado em Ensino) – Centro Universitário UNIVATES, Lajeado, 2015.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich (VOLOCHINOV). Marxismo e Filosofia da Linguagem. Trad. de M. Lahud e Y. F. Vieira. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. 2006a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 09 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, 2012b.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 07 jul. 2015, Seção 1.

BRASIL, Lei nº 10436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais -Libras. Disponível em: https://www.udesc.br/arquivos/udesc/documentos/Lei_n__10_436__de_24_de_abril_de_2002_15226896225947_7091.pdf. Acesso em: 14 de nov. 2020.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais-Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. 2005a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 14 nov. 2020.

COSTA, Mifra Angélica Chaves da. Relação pedagógica professor, intérprete de língua brasileira de sinais e o aluno surdo do curso de Pedagogia da UERN. Orientadora: Dra. Ana Lúcia Oliveira Aguiar. 2014. 167 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Rio Grande do Norte, 2014.

FALCÃO, Luiz Albérico Barbosa. Educação de Surdos: ensaios pedagógicos. Recife: Ed. do Autor. 2012.

FREIRE, Paulo. A educação na Cidade. São Paulo: Cortez, 1991.

GIROTO, Claudia Regina Mosca. M; PINHO, Gabriela Geovana; MARTINS, Sandra Eli Sartoreto de Oliveira. A disciplina de Libras na pedagogia: em análise a formação do formador. In: POKER, R. B., MARTINS, S. E. S. de O.; GIROTO, C. R. M. (Orgs). Educação Inclusiva: em foco a formação de professores. Marília: Cultura Acadêmica, 2016.

GÓES, Maria Cecília Rafael de. Linguagem, surdez e educação. 4 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

GOMES, Viviane da Silva. Docente surdo: o discurso sobre sua prática. 2015. 144 f. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015.

MACHADO, Lucyenne Matos da Costa Vieira. (Per)cursos na Formação de Professores de Surdos Capixabas: a constituição da educação bilíngue no estado do Espírito Santo. Orientadora: Sonia Lopes Victor. 2012. 219 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Espírito Santo, Espírito Santo, 2012.

MARTINS, Emerson. Cultura surda, educação e novas tecnologias em Santa Catarina. 2005. 204 f Dissertação. (Mestrado em...) - Programa de pós-graduação em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

NÓVOA, Antônio. Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

PAIVA, Glaúcia Xavier dos Santos. Português para surdos: uma via de mão dupla. Orientador: Agostinho Potenciano de Souza. 2014. 108 f. Dissertação. (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Universidade Federal de Goiás, 2014.

PERLIN, Gladis. Identidades Surdas. In: SKILIAR, CARLOS B. (Org). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998. p.51-73.

PIMENTA, Selma Garrido. (Org). Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999, p. 15-34

REIS, Flaviane. Professor surdo: a política e a poética da transgressão pedagógica. 2006. 120f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

SÁ, Nidia Regina Limeira de. Cultura, poder e educação de surdos. 2 ed. São Paulo: Paulinas, 2010.

SANTOS, Boaventura de Souza. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SKLIAR, Carlos Bernardo. A localização política da educação bilíngue para surdos. In: SKLIAR, C. B Atualidade da educação bilíngue para surdos. Porto Alegre: Mediação, 1999. p. 7-14.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 5 ed. Rio de Janeiro: WVA, 2006.

UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre as necessidades educativas especiais. Brasília, CORDE, 1994. Disponível em: http://portal.mec. gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 30 abril. 2021.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-08-10

Como Citar

Vanessa Aparecida Palermo Campos. (2022). Surdo após egresso do curso de pedagogia: perspectiva de atuação na visão de docentes universitários. Devir Educação, 6(1), e–501. https://doi.org/10.30905/rde.v6i1.501