Experiências e memórias: o trabalho com diários reflexivos

Palavras-chave: identidade docente, diários reflexivos, formação de professores

Resumo

Este artigo apresenta a síntese reflexiva a respeito das experiências vivenciadas, por mim, enquanto jovem docente de Língua Portuguesa, durante o processo de entrada como professor no Ensino Superior, embasando-me no Sistema da Avaliatividade de Martin e White (2005), Vian Jr. (2010). Nessa perspectiva, as indagações iniciais são: a) quais foram as principais preocupações expostas nos diários? b) como essas preocupações se realizam linguisticamente? Para tanto, com base na teoria a respeito dos diários reflexivos, como uma produção intimista e reveladora dos fatos vivenciados, respaldo-me em Zabalza (1994) e Reichmann (2007). A metodologia utilizada para essa investigação é a da pesquisa qualitativa, por meio da elaboração de diários reflexivos; descrevendo ações relacionadas ao processo de seleção e as angústias existentes a partir desse. Telles (2002). Essa pesquisa faz-se necessária por investigar os fatores vivenciados em um novo contexto profissional e as implicações que podem ser causadas aos professores iniciantes. Espera-se, então, contribuir com os jovens docentes que anseiam lecionar no Ensino Superior, por meio da discussão sobre as incertezas e as inseguranças encontradas nesse processo. Dado isso, os resultados sinalizam como as relações sentimentais e de afeto estão conectadas à formação docente e, ainda, este artigo também pode servir de aporte para a reflexão crítica de textos autoavaliativos.

Biografia do Autor

Alex Junior Bilhoto Faria, Universidade Federal de Lavras - UFLA

Graduado em Letras, Português / Inglês e suas respectivas literaturas, especialista em Docência do Ensino Superior e Mestre em Educação, na subárea da Linguística Aplicada; pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Os estudos e pesquisas acadêmicas referem-se, principalmente, às seguintes vertentes: Formação Docente, Linguística Aplicada, Sociolinguística e Análise de Discurso. Atualmente, é professor de Língua Portuguesa nos Colégios Skema 10, na rede Apogeu, no Centro Universitário do Sul de Minas - Grupo Unis e na Escola de Negócios e Desenvolvimento de Excelência - ENDEX.

Referências

ALMEIDA, F. Ap. S. D. P.; VIAN JR., O. Estudos em Avaliatividade no Brasil: panorama 2005-2017. Signótica, Goiânia, v. 30, n. 2, p. 273-295, abr./jun. 2018.

ALMEIDA, F. Ap. S. D. P. Atitude: afeto, julgamento e apreciação. In: VIAN JR. O.; SOUZA, A. A. de; ALMEIDA, F. Ap. S. D. Pa. (Orgs). A linguagem da avaliação em língua portuguesa. Estudos sistêmico-funcionais com base no Sistema de Avaliatividade. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010b.

ALMEIDA, F. Ap. S. D. P. A avaliação na linguagem. Os elementos de atitude no discurso do professor. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010a.

CLANDININ, D. J.; HUBER, J. Narrative inquiry. In: BAKER, McGaw B., E.; PETERSON, P. P. (Eds.), International encyclopedia of education. 3. ed. New York, NY: Elsevier. 2010.

CORACINI, M. J. Discurso e escrit(ur)a: entre a necessidade e a (im) possibilidade de ensinar. In: Eckert-Hoff, Beatriz & Coracini, Maria José. Eds. Escrit(ur)a de si e alteridade no espaço papel-tela. Campinas: Mercado de Letras. 2010.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Universidade de Brasília, 2001.

FUZER, C. & CABRAL, S. R. S. Introdução à Gramática Sistêmico-Funcional em Língua Portuguesa. Campinas: Mercado de Letras, 2014.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GOUVEIA, C. A. M. Textos, análise e interpretações: a Linguística Sistêmico-Funcional. Palestra proferida em 06/10/2008. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas (UFPel); Universidade Católica de Pelotas (UCPel), 2008.

HALLIDAY, M. A. K. & WEBSTER, J. Orgs. Continuum companion to systemic functional linguistics. London/New York: Continuum, 2009.

HALLIDAY, M. A. K. An introduction to Functional Grammar. 2. ed. London: Edward Arnold, 1994.

LIMA, C. V. A. “Eu faço o que posso”: experiências, agência e complexidade no ensino de língua inglesa. 2014. 234 f. Tese (Doutorado) - Curso de Linguística Aplicada, Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

MACHADO, A. R. O diário de leituras. A introdução de um novo instrumento na escola. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

MAGALHÃES, J. R. da S. Letramentos digitais e ensino-aprendizagem de língua inglesa: reflexões acerca do processo crítico-reflexivo do aluno em sala de aula. in: Seminário de formação de professores e ensino de língua inglesa, 4., 2018, São Cristóvão, SE. Anais eletrônicos [...]. São Cristóvão, SE: LINC/UFS, 2018. p. 154-167.

MARTIN, J.R. e WHITE. The language of evaluation: Appraisal in English. London: Palgrave Macmillan, 2005.

MENEGASSI, R. J. Professor e escrita: a construção de comandos de produção de textos. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, 2003.

OLIVEIRA, D. M. O Sistema de Avaliatividade: aspectos teóricos e práticos. Itabaiana: Gepiadde, Ano 08, Volume 15 | jan./jun. de 2014.

PEREIRA, J. E. D. Formação de professores: pesquisa, representação e poder. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

PORTER, P. A.; GOLDSTEIN, I. M.; LEATHERMAN, J. & CONRAD, S. An ongoing dialogue: learning logs for teacher preparation. In: J.C. RICHARDS & D. NUNAN (Eds.). Second Language Teacher Education, Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

REICHMANN, C. L. Ensinar, escrever, refazer(-se): um olhar sobre narrativas docentes e identidades. In: PEREIRA, R. C. M.; ROCA, P. (Org.). Linguística aplicada: um caminho com muitos acessos. São Paulo: Editora Contexto, 2009.

SIGNORINI, I. O gênero relato reflexivo produzido por professores da escola pública em formação continuada. In Gêneros Catalisadores: letramento e formação de professores. São Paulo: Parábola, 2006.

SILVA, M. A. Diários reflexivos e avaliação formativa: um olhar sobre a prática do professor. Domínios de Lingu@gem, v. 8, n. 1, p. 541-554, 30 jun. 2014.

TÁPIAS-OLIVEIRA, E. M. Quem sou eu, Quem é você? Imagens dos interlocutores do/no diário e a construção identitária. In: REICHMANN, C. L. (Org.). Diários reflexivos de professores de línguas: ensinar, escrever, refazer(-se). Campinas: Pontes, 2013.

TELLES. J. A. “É pesquisa, é? Ah, não quero, não, bem! Sobre pesquisa acadêmica e sua relação com a prática do professor de línguas. Revista Linguagem e Ensino. Editorial, 2002.

VIAN JR. O. O Sistema de Avaliatividade e os recursos para gradação em Língua Portuguesa: questões terminológicas e de instanciação. DELTA vol.25 n.1, São Paulo, 2009.

VIAN JR. O.; SOUZA, A. A. de; ALMEIDA, F. A. S. D. P. (Orgs). A linguagem da avaliação em língua portuguesa. Estudos sistêmico-funcionais com base no Sistema de Avaliatividade. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

ZABALZA, M.A. Diários de aula. Contributo para o estudo dos dilemas práticos dos professores. Porto: Porto Editora, 1994.

ZABALZA, M.A. O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Publicado
2020-11-29
Como Citar
Bilhoto Faria, A. J. (2020). Experiências e memórias: o trabalho com diários reflexivos. Devir Educação, 4(2), 314-327. https://doi.org/10.30905/ded.v4i2.315