Saberes e concepções sobre evolução biológica para alunos do 3o ano do ensino médio

Autores

  • Leandro Vieira Vidal Universidade Federal do Amazonas - UFAM

DOI:

https://doi.org/10.30905/rde.v6i1.584

Resumo

Pesquisas tem mostrado que o ensino de biologia evolutiva é fragmentado, e muitas vezes nem chega a ser abordado, isso é preocupante, visto que é um tema central dentro da Biologia e dá sentido aos diversos graus de biodiversidade observados no dia-a-dia e na natureza. Nesse sentido, o presente artigo tem como objetivo principal investigar os principais desafios para o ensino de evolução biológica para alunos do ensino médio da cidade de Manaus, Amazonas. Para tanto, foram aplicados questionários de acordo com a escala likert com perguntas que versaram sobre evolução biológica e concepções dos alunos sobre o tema, antes e após uma aula exclusiva sobre evolução Biológica. Foram um total de 56 alunos de 3 escolas do ensino médio que participaram da pesquisa, a escolha dessa série se deu em virtude do tema evolução ser abordado com mais ênfase nesse período. Esse referencial teórico-metodológico foi adotado para que fosse possível analisar as concepções e o conhecimento dos alunos sobre o assunto, no qual foi possível verificar que os alunos não conhecem corretamente os conceitos relacionados aos processos de evolução biológica, porém, foi constatado mudanças na média de erros das respostas dos alunos após a aplicação da aula, com um certo reforço da ideia correta sobre a teoria da evolução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Vieira Vidal, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Amazonas - UEA. Realizou estágio no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, onde desenvolveu estudos com marcadores de DNA microssatelites, onde foram isolados e caracterizados locos de DNA microssatelites do transcriptoma de Anopheles (Nyssorhynchus) darlingi. Mestre em zoologia pela Universidade Federal do Amazonas -UFAM, onde desenvolveu trabalho com uma espécie de Bicho-Preguiça (Bradypus tridactylus), estudando a área de vida, densidade e história natural em um fragmento florestal na cidade de Manaus. Tem grande interesse na área de ecologia.

Referências

Alexandre C. Tort, Felipe Nogarol. Revendo o debate sobre a idade da Terra, Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 35, n. 1, art. 1603, 2013.

ALTERS, B. J.; ALTERS, S. M. Defending evolution in the classroom: a guide to the creation/evolution controversy. Canada: Jones and Bartlett Publishers, 2001. 261p.

BELLINI, L.M. O conceito de evolução nos livros didáticos: avaliação metodológica. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 33, 2006.

BIZZO, N. M. V. Pensamento científico: a natureza da ciência no ensino fundamental. São Paulo: Melhoramentos, 2012.

BRASIL. Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Secretaria de Educação Básica. - Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília, DF. Secretária da Educação Média e Tecnológica,1997.

FUTUYMA, D. J. Biologia evolutiva. 2 ed. Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira de Genética/CNPq, 1992.

FUTUYMA, D.J. Biologia evolutiva. 2. ed. Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira de Genética, 1995.

LICATTI, F. O ensino de evolução biológica no nível médio: investigando concepções de professores de biologia. 2005. 240 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências, 2005.

MARTINS, L. A. P. A teoria da progressão dos animais de Lamarck. 403 p. Dissertação (Mestrado em Genética). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1993.

MARTINS, Lilian Al-Cheyr Pereira. A história da ciência e o ensino de biologia. Ciência & Ensino (5): 18-21, 1998.

MEYER, Diogo; EL-HANI, Charbel Niño. Evolução: o sentido da biologia. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

OLIVEIRA, G. S. Aceitação/rejeição da evolução biológica: atitudes de alunos da educação básica. 2009. 162 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2009.

OLIVEIRA, G. S.; BIZZO, N. Aceitação da evolução biológica: atitudes de estudantes do ensino médio de duas regiões brasileiras. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 11, n. 1, 2011. p. 57-79.

PACHECO, R. B. C.; OLIVEIRA, D.L. O homem evoluiu do macaco? Equívocos e distorções nos livros didáticos de Biologia. In: VI Encontro de Perspectivas do Ensino de Biologia. Anais. São Paulo: FEUSP, 1997.

POPE, C.; MAYS, N., Reaching the parts other methods cannot reach: an introduction to qualitative methods in health and health service research. British Medical Journal, London, n. 311, p. 42-45, 1995.

SANTOS FILHO, J. Camilo dos. Pesquisa quantitativa versus pesquisa qualitativa: o desafio paradigmático. In: SANTOS FILHO, J. Camilo dos; GAMBOA, Silvio Sánchez. Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. 4. ed. São Paulo: Cortez, p.13-59, 2001.

SANTOS GOUW, A. M. As opiniões, interesses e atitudes dos jovens brasileiros frente à ciência: uma avaliação em âmbito nacional. 2013. 242 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2013.

SANTOS, C.M.D.; CALOR, A.R. Ensino de biologia evolutiva utilizando a estrutura conceitual da sistemática filogenética – II. Ciência & Ensino, Campinas, vol. 2, n. 1, 2007.

SCHREINER, C.; SJØBERG, S. Sowing the seeds of ROSE. Acta Didactica 4/2004, p. 120, 2004.

Tort, A.C e Nogarol, F. – O Debate sobre a idade da terra - Revista Brasileira de Ensino de Física, V,35, n.1, 1603-7, 2013

Arquivos adicionais

Publicado

2022-10-01

Como Citar

Leandro Vieira Vidal. (2022). Saberes e concepções sobre evolução biológica para alunos do 3o ano do ensino médio. Devir Educação, 6(1), e–584. https://doi.org/10.30905/rde.v6i1.584