Folclore, linguagem e comunicação: perspectivas para uma visão transcultural da cultura

  • Joel Cezar Bonin UNIARP
  • Fabiana Dalilla Becker UNIARP
  • Rita Márcia Twardowski UNIARP
  • Suéli Taiane Vicentim UNIARP
  • Vânia Cristina Marcon da Rocha Lusa UNIARP
Palavras-chave: Folclore, Linguagem, Transculturalidade, Weltanschauung

Resumo

A proposta deste artigo é estabelecer uma correlação entre Folclore, comunicação e linguagem. O folclore como identidade social e cultural de um povo é abordado num primeiro momento, desde a origem da palavra, passando pelo amparo legal que o fundamenta, ganhando notoriedade nesse campo de conhecimento em nosso país, buscando compreender algumas características do termo, como aceitação coletiva, difusa e de origem popular, herdado da junção do entroncamento dos povos indígenas, negros e europeus.  Além disso, os estudos sobre o folclore ganharam novo fôlego com atualizações importantes em uma visão transversal. A segunda etapa do presente artigo apresentar a linguagem em uma combinação com a cultura e a relativa importância da maneira que ela se manifesta, principalmente na construção da escrita e preservação cultural. Busca entender o sentido da diversidade cultural, manifestada através da linguagem, como ponto de complementação e de interlocução e não como elemento de desagregação e disjunção. A última etapa do artigo é argumentação em torno da Weltanschauung, um conceito expressivo e abrangedor da realidade, que é uma maneira subjetiva ver e entender o mundo. Aquilo que se vê e se compreende, precisa ser filtrado pela “visão de mundo”. A necessidade de uma visão transcultural e transdisciplinar se faz necessária, já que o mundo que temos é resultado de nossa visão e interpretação do mundo vivido. Assim, na relação estabelecida entre linguagem, cultura e folclore, não se encontra um fechamento, uma unilateralidade de uma cultura, mas sim uma fusão que se enriquece mutuamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joel Cezar Bonin, UNIARP

Doutor em Filosofia pela PUC-PR. Professor do PPGEB – UNIARP, Caçador-SC. Email: joel@uniarp.edu.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0437-7609;

Fabiana Dalilla Becker, UNIARP

Mestranda pelo PPGEB – UNIARP, Caçador-SC. Professora de Língua Inglesa na Escola de Educação Básica Expedicionário Mário Nardelli, em Rio do Oeste-SC. Email: fabianadalila35@gmail.com ORCID: https://orcid.org/0000-0002-6267-5965

Rita Márcia Twardowski, UNIARP

Mestranda pelo PPGEB – UNIARP, Caçador-SC. Professora de Geografia na Escola de Educação Básica Professor Clementino Britto, de Porto União-SC, ritatwardowski@yahoo.com.br. Orcid: https://orcid.org/0000-0003-4151-6743

Suéli Taiane Vicentim, UNIARP

Mestranda pelo PPGEB – UNIARP, Caçador. Coordenadora de Patrimônio/Compra Rotativa da Secretaria Municipal de Educação-União da Vitória/PR. Email: suhtaiane@yahoo.com ORCID: https://orcid.org/0000-0002-8851-2005;

Vânia Cristina Marcon da Rocha Lusa, UNIARP

Mestranda pelo PPGEB – UNIARP, Caçador-SC. Professora de Língua Inglesa na Escola Municipal de Educação Básica Pierina Santin Perett, em Caçador-SC. Email: lusavania060@gmail.com ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2472-8330

Referências

BARROSO, Priscila Farfan; BONETE, Wilian Junior; QUEIROZ, Ronaldo Queiroz de Morais. Antropologia e Cultura. [revisão técnica: Guilherme Marin]. Porto Alegre: SAGAH, 2017.

BONVINI, Emilio. Textos orais e textura oral. In: QUEIROZ, Sônia. A tradição oral. Tradutoras Ana Elisa Ribeiro, Fernanda Mourão e Sônia Queiroz. 2ª ed. FALE/UFMG. Belo Horizonte, 2016.

BRANDT, Ana Luisa; GUSTSACK, Felipe; FELDMANN, Juliana. Mediação literária: propostas de oralização. Reflexões sobre a contação de histórias: uma proposta para integrar oralidade, leitura e escrita. Caxias do Sul. v. 14, n. 2, maio/ago. 2009.

BRASIL. Presidência da República Casa Civil, Brasília, DF. DECRETO Nº 56.747, DE 17 DE AGOSTO DE 1965. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1950-1969/D56747.htm. Acesso em 27 de abril de 2021.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 27 de abril. 2021.

CIRACI, Fabio. A filosofia como cosmovisão. Tradução de Leandro de Araújo Sardeiro. Revista Problemata - Revista Internacional de Filosofia (UFPB). V. 10. n. 5 (2019), p. 265-270. (Doi: http://dx.doi.org/10.7443/problemata.v10i5.49923)

COMISSÃO NACIONAL DO FOLCLORE BRASILEIRO. Carta do folclore brasileiro. Salvador, BA, CNF, 1995. Disponível em: https://www.fundaj.gov.br/geral/folclore/carta.pdf. Acesso em 27 de abril de 2021.

GERALDI, João Wanderlei. Bakhtin Tudo ou Nada Diz aos Educadores: Os Educadores Podem Dizer Muito Com Bakhtin. In: FREITAS, Maria Teresa de Assunção (org). Educação, Arte e vida em Bakhtin. Autêntica. Belo Horizonte. 2013.

GOMES, Luiz Roberto. Educação e Consenso em Habermas. Campinas, São Paulo: Edt. Alínea, 2007.

HABERMAS. Jürgen. Teoria do Agir Comunicativo 1: Racionalidade da Ação e Racionalização Social. Tradução de Paulo Astor Soethe. Revisão de tradução: Flávio Beno Siebeneichler. São Paulo, Editora WMF Martins Fontes, 2012.

LORENZETTI, Carmen; CAMPOS, Karin Cozen de. A Contação de Histórias como Gênero Oral Ensinável Mediado Pela Leitura na Obra Tristão e Isolda. Cadernos PDE. vol 1. Paraná.2013.

MEGALE, Nilza Botelho. Folclore Brasileiro. 5. Ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Tradução de Maria D. Alexandre e Maria Alice Sampaio Dória. 8ª ed. - Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

OLIVEIRA, Aroldo Magno de. Memória, Percepção, Autoria e Divulgação. In: NASCIMENTO, Luciana; ASSIS, Lúcia Maria de; OLIVEIRA, Aroldo Magno de (orgs). Linguagem e Ensino do Texto: Prática e Teoria. –Rio de Janeiro: Edgard Blücher Ltda. 2016.

PINHEIRO, Noslen Nascimento. A Expressividade dos Neologismos Sintagmáticos na prosa de Mário de Andrade. São Paulo. 2008.

RABAÇAL, Alfredo João. Influência indígenas no folclore brasileiro. Separata da Revista de Etnografia n. 14- Museu de Etnografia e História 19 p. Porto (Portugal). Disponível em: http://etnolinguistica.wdfiles.com/local--files/biblio%3Arabacal-1967. Acesso em 01 de maio de 2021.

TYLOR, Edward. Primitive Culture. Ed. John Mursay & Co. Londres, 1871.

ZANCHETTA, Heloísa Bacchi. Aspectos culturais como fios condutores de interações em tandem na aprendizagem de português língua estrangeira: interculturalidade, estereótipos e identidade(s). Dissertação de Mestrado pelo Programa de Linguística e Língua Portuguesa da Faculdade de Ciências e Letras – (UNESP) Araraquara – SP. 2015.
Publicado
2021-11-27
Como Citar
Bonin, J. C., Becker, F. D., Twardowski, R. M., Vicentim, S. T., & Rocha Lusa, V. C. M. da. (2021). Folclore, linguagem e comunicação: perspectivas para uma visão transcultural da cultura. Devir Educação, 5(2), 86-103. https://doi.org/10.30905/rde.v5i2.423