A pesquisa na encruzilhada: perspectiva afro-brasileira e a pesquisa em educação

  • João Augusto Reis Neto Universidade Federal de São João del-Rei - UFSJ
  • Maria Jaqueline Grammont Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ
Palavras-chave: Pesquisa em educação, Metodologia da pesquisa, Cultura afro-brasileira, Encruzilhadas

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir de que modo elementos da cosmovisão afro-brasileira, enquanto fontes de conhecimento ancestral e possibilidade epistemológica, podem contribuir para a construção de outras abordagens e metodologias de pesquisa que busquem (se contrapor e) romper com a tradição monológica colonial no campo da pesquisa em educação. Para esta discussão estamos apoiados na perspectiva pós-colonial, a partir do pensamento social afro-latino-americano, nos saberes ancestrais do povo negro, sobretudo naqueles produzidos nas práticas educativas dos terreiros de religião de matriz africana. Além disso, dialogamos com o pensamento de Mikhail Bakhtin. Para isso tomamos a encruzilhada como imagem-conceito e referência epistemológica. A encruzilhada, nesta perspectiva, transcende o signo religioso e se torna uma referência analítica da realidade. Por fim, apresentamos os “círculos dialógicos” como possibilidade metodológica para construção de dados na pesquisa em educação. Com isto, podemos perceber que os círculos dialógicos permitem a construção de uma pesquisa humanizada, calcada na alteridade, no diálogo e no reconhecimento do outro como co-autor do conhecimento e busca romper com um ideal colonizado(r) na construção da pesquisa.

Biografia do Autor

João Augusto Reis Neto, Universidade Federal de São João del-Rei - UFSJ

Mestre em Educação pela Universidade Federal de São João Del Rei e membro do grupo “Laroyê: Culturas Infantis e Pedagogias Descolonizadoras” (UFLA). 

Maria Jaqueline Grammont, Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Doutora em Educação, professora-pesquisadora no Departamento de Ciências da Educação e no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de São João Del Rei.

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. São Paulo: Selo Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

AMORIM, Marília. O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas ciências humanas. São Paulo: Musa Editora, 2001.

ANDRADE, Michely Peres de. Lélia Gonzalez e o papel da educação para o feminismo negro brasileiro. Interritórios – Revista de Educação da UFPE, Recife, v.4, n.6, p. 75-92, 2018.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal (Tradução de Paulo Bezerra). 6° ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, Mikhail/VOLOCHÍNOV, Valentín N. Marxismo e Filosofia da Linguagem (Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi). 12 ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BENTO, Maria Aparecida da Silva. Pactos narcísicos no racismo: branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público. 2002. 185f. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano) - Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

CANDIDO, Antônio. Literatura e sociedade. 8 ed. São Paulo: Publifolha, 2000.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. 339f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

FREIRE, Paulo. À sombra desta mangueira. São Paulo: Olho D’água, 1995.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 1.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

FREITAS, Maria Teresa A. A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas), São Paulo, v. 1, n.116, p. 21-39, jul. 2002.

FREITAS, Maria Teresa A. A perspectiva sócio-histórica: uma visão humana da construção do conhecimento. In: FREITAS, M. T.; SOUZA, JOBIM E SOUZA, S; KRAMER, S. (Org.). Ciências Humanas e Pesquisa: Leituras de Mikhail Bakhtin. São Paulo: Cortez Editora, 2003, p. 26-38.

FREITAS, Maria Teresa A. A pesquisa de abordagem histórico-cultural: um espaço educativo de construção de sujeitos. Teias, [S.l.], v. 10, n.19, p. 1-12, jul. 2009.

FREITAS, Maria Teresa A. Linguagem, consciência e vida humana no pensamento de Bakhtin e Vygotsky. In: FREITAS, M. T A; RAMOS, B. S. S. (Orgs). Bakhtin partilhado. Curitiba: Editora CRV, 2017, p. 13-28.

GOMEZ, Margarita; TAVEIRA, Adriano S. N. E.; APOLINARIO, Joseneide; AGUIAR, Alessandra D.; BIOTO, Luis Carlos. Pesquisas e práticas educacionais com o círculo de cultura. Reunião da ANPED – SUL (ANPEDINHA), São João Del Rei, 2014.

OLIVEIRA, Eduardo D. Epistemologia da Ancestralidade. Entrelugares: Revista de Sociopoética e Abordagens Afins, [S. l.], v. 1, p. 1-10, 2009.

OLIVEIRA, Eduardo D. Filosofia da Ancestralidade: corpo e mito na filosofia da educação brasileira. 2005. 353 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2005.

OLIVEIRA, Eduardo. Epistemologia da Ancestralidade. Entrelugares: Revista de Sociopoética e Abordagens Afins, [S. l], v. 1, p. 1-10, 2009.

ORIEL PEREIRA, Artur; SANTIAGO, Flavio; LIMA SOUZA, Ellen Gonzaga. Ubuntu: acolhimento ancestral e inquietações feministas negras à educação de bebês e crianças pequenas em creches e pré-escolas. Revista Teias, [S.l.], v. 19, n. 53, p. 314-329, jul. 2018.

OXÓSSI, Mãe Stella de. Balaio de Ideias: Na encruzilhada da vida. Jornal “A TARDE”, Salvador, 23 de maio de 2012, Blog Mundo Afro (online). Disponível em:

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del Poder, Cultura y Conocimiento en América Latina. Anuário Mariateguiano, Lima, v. 9, n. 9, p. 227-238, ago.1997.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno manual antirracista.1º ed. São Paulo: Companhia das letras, 2019.

RUFINO, Luis Rodrigues. Exu e a Pedagogia das Encruzilhadas. 2017. 233 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal. Novos Estudos - CEBRAP, [S.l], n. 79, p. 71 -94, nov. 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. 2º ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, Nelson Fernando Inocêncio. Africanidade e religiosidade: uma possibilidade de abordagem sobre as sagradas matrizes africanas na escola. In: Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. 121-132p.

SOUZA, Ellen de Lima. Experiências de infâncias com produções de culturas no Ilê Axé Omo Oxé Ibá Latam. 2016. 179 f. Tese (Doutorado em Educação) – Departamento de Educação, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.

SOUZA, Solange Jobim e.; ALBUQUERQUE, Elaine. D. Porto e. A pesquisa em ciências humanas: uma leitura bakhtiniana. Bakhtiniana - Revista de Estudos do Discurso, [S.l], v. 7, n.2, p. 109-122, nov. 2012.

STAM, Robert. Bakhtin: Da teoria literária à cultura de massa (Tradução: Heloísa Jahn). Editora Ática: São Paulo, 1992.
Publicado
2020-11-29
Como Citar
Reis Neto, J. A., & Grammont, M. J. (2020). A pesquisa na encruzilhada: perspectiva afro-brasileira e a pesquisa em educação. Devir Educação, 4(2), 291-313. https://doi.org/10.30905/ded.v4i2.257