Avaliação da aprendizagem em contextos híbridos educacionais: compartilhando experiências sobre a utilização do mapa conceitual como recurso avaliativo no ensino superior

  • Lílian Roberta Salustiano França Universidade Federal de Alagoas
  • Cleide Jane Sá Araújo Costa Universidade Federal de Alagoas
  • Maria Auxiliadora Silva Freitas Universidade Federal de Alagoas
Palavras-chave: Avaliação da aprendizagem, Educação híbrida, Mapa conceitual

Resumo

No contexto da educação híbrida, o presente artigo tem o objetivo de apresentar um relato de experiência sobre a utilização do mapa conceitual como recurso avaliativo no nível superior de ensino, fornecendo uma visão geral sobre as potencialidades deste instrumento de avaliação. A investigação com base teórico-metodológica foi desenvolvida no âmbito de uma disciplina do curso de Pós-Graduação em Educação de uma universidade pública brasileira, cuja proposta pedagógica estava pautada na perspectiva da avaliação da aprendizagem em espaços híbridos de educação. Foi no desenvolvimento das atividades didáticas desta disciplina e na realização dos seminários temáticos sobre a avaliação da aprendizagem que surgiu o seguinte questionamento norteador deste estudo: que possibilidades avaliativas o mapa conceitual proporciona ao contexto de ensino e aprendizagem, numa perspectiva híbrida? metodologia envolveu estudos em aportes teóricos, apresentação do seminário, elaboração de mapas conceituais pelos discentes no CmapTools, publicação das atividades no ambiente virtual de aprendizagem (AVA) da disciplina e análise dos dados. As categorias de análise consideradas foram às produções dos mapas conceituais e as interações no AVA, observando nos mapas a sua estrutura, os conceitos principais e secundários, a coerência nas hierarquias rendizagem significativa. Os resultados apontam que no contexto do hibridismo em educação os mapas conceituais são procedimentos avaliativos propícios para desenvolver práticas de ensinar e aprender significativas, além disso, no processo de avaliação, esses recursosrecem possibilidades para a aprendizagem dos discentes, condicionam a momentos de reflexão contínua e permitem o desenvolvimento de uma avaliação formativo-processual.

Biografia do Autor

Cleide Jane Sá Araújo Costa, Universidade Federal de Alagoas

Doutora em Educação (Université de Provence Aix-Marseille I, 2002) e em Linguística (UFAL, 2002), mestre em psicologia (Université de Provence Aix-Marseille I, 1996), Bacharel em Administração (UFPB, 1989), licenciada em Psicologia (UEPB, 1990). Atualmente é professor Assocoado I do Centro de Educação da Universidade Federal de Alagoas, atuando no Programa Modelagem Computacional do Conhecimento (IC) e Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, na linha de pesquisa Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação (PPGE). Coordena e orienta pesquisa. Possui publicações nacionais e internacionais. Tem experiência na área de Educação a Distância e Tecnologia da Informação e Comunicação na educação, com ênfase nos seguintes temas: Interação online, Avaliação da aprendizagem online, tutoria, concepção e elaboração de material didático, gestão, formação do professor.

Maria Auxiliadora Silva Freitas, Universidade Federal de Alagoas

Professora Associada I da Universidade Federal de Alagoas, do Centro de Educação, com atuação no Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, na linha de pesquisa Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação (PPGE). Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia (FACED/UFBA), Mestre em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Especialista em Metodologia do Ensino Superior e Metodologia Científica (PUC/MG), Licenciada em Pedagogia (UFAL)

Referências

BACICH, Lilian.; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

CHRISTENSEN, Clayton M..; HORN, Michael B.; STAKER, Heather. Ensino Híbrido, uma inovação disruptiva? Uma introdução à teoria dos híbridos. [S.I: s. n.], 2013. Disponível em:http://provir.org/wp-content/uploads/2014/08/PT_Is-K-12-blended-learning--disruptive-Final.pdf>. Acesso em: 25 abr. 2019.

FREITAS, Maria Auxiliadora Silva. Os estudos hermenêuticos e a sua contribuição na avaliação da aprendizagem que ocorre em ambientes de formação online. In. MERCADO, L. P. L. (Org.). Fundamentos e práticas na educação a distância. Maceió: EDUFAL, 2009, p.79-92.

GOMES, Patrícia. Ensino híbrido é o único jeito de transformar a educação. 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2019.

HOFFMANN, Jussara. Avaliar para promover: as setas do caminho. 9. ed. Porto Alegre: Mediação, 2001.

__________. Avaliação Mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto alegre: Mediação, 2004.

HORN, Michael B.; STAKER, Heather. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem: componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez, 2011.

LÜDKE, Menga.; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Editora EPU, 1986.

MORAN, José. Educação Híbrida: Um conceito-chave para a educação, hoje. In. BACICH, Lilian; TANZI NETO, Alfredo; TREVISANI, Fernando de Mello. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015, p. 27-45.

MOREIRA, Marco Antônio; MASINI, Elcie Fortes Salzano. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro, 2001.

MOREIRA, Marco Antônio. Mapas conceituais e a aprendizagem significativa. Porto Alegre: RS, 2012. Disponível em: < https://www.if.ufrgs.br/~moreira/mapasport.pdf>. Acesso em: 01 maio 2019.

ONTORIA Antônio. et.al. Apreender com Mapas Mentais: uma estratégia para pensar e estudar. SP: Madras, 2008.

RODRIGUES, Eric Freitas. A avaliação e a tecnologia: a questão da verificação de aprendizagem no modelo de ensino híbrido. In. BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015, p. 123-140.

SILVA, M. O fundamento comunicacional da avaliação da aprendizagem na sala de aula online. In. SILVA, M.; SANTOS, E. (Orgs.). Avaliação da aprendizagem em educação online: fundamentos, interfaces e dispositivos, relatos de experiência. São Paulo: Edições Loyola, 2006, p. 23-36.

SPINARDI, Janine Donato; BOTH, Ivo José. Blended Learning. O ensino híbrido e a avaliação da aprendizagem no Ensino Superior. v. 44. n. 1. Rio de Janeiro: B Téc-Senac, 2018.

VALENTE, José Armando. A sala de aula invertida e a possibilidade do ensino personalizado: uma experiência com a graduação em Midiologia. In. BACICH, Lilian; MORAN, José. (Orgs.). Metodologias Ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico prática. Porto Alegre: Penso, 2018, p.26-44.

___________. Prefácio: o ensino híbrido veio para ficar. In. BACICH, Lilian.; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015, p.13-17.
Publicado
2019-11-27