OS TRAÇOS FASCISTAS POR TRAS DO PRECONCEITO, VIOLÊNCIA E BULLYING NA ESCOLA

  • Anilde Tombolato Tavares da Silva Universidade Estadual de Londrina
  • Cândida Alayde de Carvalho Bittencourt Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: Educação, Preconceito, Personalidade Autoritária, Bullying.

Resumo

Este texto consiste em crítica contundente às condições sociais que geraram o fascismo e, dentro desse, à personalidade autoritária predisposta a preconceitos e consequentemente a atos de violência. A análise do preconceito e a violência na escola, permite entender como as representações da sociedade em que vivemos se reproduzem no cotidiano escolar - instituição que deveria ser o espaço de educação e socialização das crianças, mas que se transformou em espaço de agressão e desrespeito mútuo, com situações de preconceito, violência e bullying, como o uso de piadas e ofensas, formas de violência psicológica que são negativas para a formação e constituição da subjetividade e identidade das crianças. Esses, não devem ser tolerados e, necessitam ser enfrentados por professores, coordenadores e direção, com trabalhos educativos de desconstrução de estigmas. O referido artigo traça caminhos reflexivos para identificar e combater o bullying, a manifestação do preconceito e contribuir na superação do pensamento estereotipado em relação às minorias vítimas do preconceito na escola, além de impactar a formação de educadores que vivenciam essa realidade no dia a dia nas salas de aulas.

Biografia do Autor

Anilde Tombolato Tavares da Silva, Universidade Estadual de Londrina

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2007); Pós Doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2016). Atualmente é pesquisador e líder do GEPEI/CNPQ - Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Infância, professor associado da Universidade Estadual de Londrina. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Formação de professores, atuando principalmente nos seguintes temas: educação infantil, infância, ensino-aprendizagem, formação de professores.

Cândida Alayde de Carvalho Bittencourt, Universidade Estadual de Londrina

Pós-doutorado na Université de Genève - Faculté de Psychologie et des sciences de l'education (2015). Doutorado em educação: história, política, sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2008). Mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2002). Graduação em pedagogia pela Universidade Federal do Paraná (2012). Graduação em licenciatura plena em educação artística pela universidade federal de pelotas (1984). Atualmente é professora associada da Universidade Estadual de Londrina. Tem experiência na área de artes e educação, com ênfase em formação de professores, arte-educação, arte, educação, formação continuada.

Referências

ADORNO, Theodor W. et. al. La personalidad autoritaria. Buenos Aires: Proyección, 1965. p. 567-728.

ADORNO, Theodor W. Educação e Emancipação. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

ADORNO, Theodor W. Educação após Auschwitz. In: ADORNO, Theodor. Educação e Emancipação. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CROCHÍK, José Léon. Formas de violência escolar preconceito e bullying. Movimento: Revista de Educação. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. UFF. Ano 2, número 3. 2015.

CROCHÍK, José Léon. Preconceito, indivíduo e cultura. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006.

HORKHEIMER, Max. Preconceito. In: ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Temas básicos de sociologia. São Paulo: Cultrix, 1973. p. 172-183.

HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento: Fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

IANNI, Octávio. Dialética das Relações Raciais. Revista Estudos Avaçados. São Paulo, v. 18, n. 50, 2004.

MAAR, Wolfgang. L. A formação da sociedade pela indústria cultural. In: Revista Educação, Coleção Especial: Biblioteca do Professor, Adorno pensa a Educação. São Paulo: Editora Segmento, ano 2, n. 10, p.26-35, 2009.

Publicado
2019-05-20