Dois movimentos, duas formas de desfazimento: a escola sem partido, as ocupações secundaristas e o debate sobre o lugar da educação na atualidade

  • Lucas de Oliveira Carvalho Universidade Federal de Sergipe-UFS
  • Dinamara Garcia Feldens Universidade Federal de Sergipe - UFS
Palavras-chave: sociedade de controle, escola sem partido, ocupações secundaristas.

Resumo

Este artigo tem o objetivo de discutir as transformações em torno da escola e de seus mecanismos e relações de poder a partir da emergência de dois movimentos políticos: um por um viés enrijecedor e de características autoritárias representado pela “Escola sem Partido” e outro por uma via da resistência criadora e da produção de singularidade representado pelas recentes ocupações secundaristas. Trata-se de uma abordagem teórica e qualitativa onde através do conceito de Deleuze de sociedade de controle buscamos levantar indícios sobre transformações no modelo de escola da modernidade ancorada até então em práticas de poder referentes ao que Foucault conceituou como sociedade disciplinar. Procuramos argumentar como esses movimentos políticos (“Escola sem partido”, ocupações secundaristas) são efeitos dessas transformações nas tecnologias de poder na sociedade e na escola no sentido de contribuir para o debate sobre os desafios e os rumos futuros da educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas de Oliveira Carvalho, Universidade Federal de Sergipe-UFS

Doutorando e Mestre (2020) pelo Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED/UFS). Bolsista de Doutorado CAPES. Graduado em história pela Universidade Tiradentes (2010). ; Aracaju –SE.

Dinamara Garcia Feldens, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Possui licenciatura em História (1996), Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS (1999 CAPES/Conceito 6) . Durante o doutorado realizou estudos e pesquisas com bolsa MTC/ CNPq na Universidade da Sorbonné - Paris V, França, na área de Educação, antropologia do corpo e Filosofia. Possui pós-doutorado pela Universidade Complutense de Madrid UCM, com bolsa CNPq, na área de Filosofia da Educação, estudando o filósofo Frances Gilles Deleuze. Coordena o Grupo de Pesquisa Educação, Cultura e Subjetividade (GPECS/UFS/CNPq). É pesquisadora e professora da Universidade Federal de Sergipe e do Programa de Pós Graduação em Educação na linha de Pesquisa Conhecimento, cultura e educação. Avaliadora da CAPES na área do ensino PAEP/DPB. Desenvolve projetos científicos e de extensão vinculados ao tema poder na contemporaneidade. Atua principalmente nos temas: filosofia da diferença, epistemologia do conhecimento, estudos de gênero, poder, corpo e cultura. 

Referências

ALVIN, D. M.; RODRIGUES, A. Coletivos, ocupações e protestos secundaristas: a fênix, o leão e a criança. ETD- Educação Temática Digital, Campinas, SP, v.19 n.esp. 2017, p.75-95.Disponível em:< https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8647747> Acessado em: 25 de março de 2019.
AOS NOSSOS AMIGOS: crise e insurreição. Comité Invisível. São Paulo: n-1 edições, 2016.
CHAUÍ, M. Sobre a violência. ITOKAZU, E. M.; CHAUÍ-BERLINCK, L. Belo Horizonte: Autêntica editora, v.5, 1 ed. 2017.
DELEUZE, G. Foucault. Trad. Claudia Sant’Anna Martins. São Paulo: Brasiliense, 2005.
DELEUZE, G. Conversações (1972-1990). Trad. Peter Pál Pelbart, São Paulo: ed.34, 2ªed.2010.
DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs - capitalismo e esquizofrenia, vol. 3. Trad. Aurélio Guerra Neto et Alii; Ana Lúcia de Oliveira; Lúcia Cláudia Leão; Suely Rolnik — Rio de Janeiro: Ed. 34 – 2ºed., 2012 (Coleção TRANS).
FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Vozes, 42ºed., 2014.
FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Organização, Introdução e Revisão Técnica de Roberto Machado. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 6ª ed., 2017.
FRIGOTTO, G. (org.). A gênese das teses do Escola sem Partido: esfinge e ovo da serpente que ameaçam a sociedade e a educação. In: Escola “sem” partido: Esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017.
FERREIRA, R. da S. A sociedade da informação como sociedade de disciplina, vigilância e controle. Iformacion, cultura y sociedad. V.31, dez., 2014, p.109-120. Disponível em: < https://www.redalyc.org/pdf/2630/263032717007.pdf >. Acessado em: 13 de abril de 2019
FERREIRA, C. A. Formação a contrapelo: as ocupações estudantis e o exercício da autonomia. In: 38º Reunião nacional (ANPED): Democracia em risco: a pesquisa e a pós-graduação em contexto de resistência, São Luís (MA). Anais.... São Luís (MA):UFMA, 2017.Disponível em: < http://38reuniao.anped.org.br/sites/default/files/resources/programacao/trabalho_38anped_2017_GT14_1117.pdf>. Acessado em: 5 de abril de 2019.
GALLO, S. Em torno de uma educação menor. Educação e realidade. Porto Alegre (RS): vol.27, n.2,2002, p.169-178. Disponível em: < https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/25926>. Acessado em: 10 de abril de 2019
GALLO, S. Filosofias da diferença e educação: O revezamento entre teoria e prática. In: CLARETO, S. M.; FERRARI, A. (orgs). Foucault, Deleuze e Educação. Juiz de Fora (RJ), ed. UFJF,2010.
KATZ, E. P.; MUTZ, A. S. da C. Escola sem partido: produção de sentidos em torno do papel da escola pública no Brasil. ETD- Educação Temática Digital, Campinas, SP v.19 n.esp, 2017, p. 184-205.
PROGRAMA ESCOLA SEM PARTIDO. O que é o programa escola sem partido. Disponível em: < https://www.programaescolasempartido.org/faq >. Acesso em 03 de Abril de 2019.
PENNA, F. de A. A escola sem partido como chave de leitura do fenômeno educacional. In: FRIGOTTO, G. (org.). Escola “sem” partido: Esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017.
QUEIROZ, D. F. d S.; BORTOLON, P. C.; ROCHA, R. C. M. As ocupações estudantis e a reinvenção do espaço escolar facilitadas pelas tecnologias interativas. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, v.25, n.104, 2017, p.02-22. Disponível em: < http://epaa.asu.edu/ojs/article/view/mmm > Acessado em: 15 de abril de 2019
Publicado
2021-05-29
Como Citar
Carvalho, L. de O., & Dinamara Garcia Feldens. (2021). Dois movimentos, duas formas de desfazimento: a escola sem partido, as ocupações secundaristas e o debate sobre o lugar da educação na atualidade. Devir Educação, 5(1), 112-129. https://doi.org/10.30905/rde.v5i1.354
Seção
Artigos de fluxo contínuo