Penso (hegemonicamente), logo existo: reflexões acerca da pesquisa acadêmica no mestrado profissional em educação

  • Kelly Queiroz dos Santos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/Licenciada em Artes Cênicas e Dança e Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Educação
  • Ana Carolina Pereira de Souza Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Educação
  • Marcela dos Santos Ortiz Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Educação
  • Marcos Antônio Bessa-Oliveira Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/Professor do Curso de Artes Cênicas (Graduação), na Cadeira de Artes Visuais, e do Programa de Mestrado Profissional em Educação

Resumo

O presente trabalho deseja apontar (re)verificações acerca da pesquisa Acadêmica em Educação. As (re)verificações serão feitas a partir de uma perspectiva outra, a partir de uma perspectiva descolonial e das experivivências das autoras em questão. As mulheres e autoras da pesquisa são pesquisadoras do Programa de Pós-Graduação do Mestrado Profissional em Educação (PROFEDUC) da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul e trazem para a pesquisa relatos de suas experiências como participantes do programa. No decorrer das disciplinas e da produção dos projetos de pesquisa, as autoras perceberam algumas divergências acerca de como a pesquisa acadêmica está posta, em grande parte, moderna. Pois, se pensarmos (hegemonicamente), logo existiremos. Pensamos porque sentimos. Mas tendo em vista a perspectiva descolonial dos trabalhos das autoras juntamente com o do orientador, a perspectiva eurocêntrica, hegemônica e moderna que ainda impera a pesquisa acadêmica, não nos cabe. Para isso trazemos reflexões e experiências em diálogo com diversos autores que pensam de forma outra a pesquisa acadêmica, propondo a opção descolonial como possibilidade para mudança da estrutura disciplinar moderna encontrada ainda nas Uni-versidades.

Biografia do Autor

Kelly Queiroz dos Santos, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/Licenciada em Artes Cênicas e Dança e Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Educação

Mestranda em Educação, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil.

Ana Carolina Pereira de Souza, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Educação

Mestranda em Educação, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Maracaju, Mato Grosso do Sul, Brasil. 

Marcela dos Santos Ortiz, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Educação

Mestranda em Educação, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil.

Marcos Antônio Bessa-Oliveira, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/Professor do Curso de Artes Cênicas (Graduação), na Cadeira de Artes Visuais, e do Programa de Mestrado Profissional em Educação

Pós-doutorando em Estudos de Linguagens, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil.

Referências

BESSA-OLIVEIRA, Marcos Antônio. Educação, Tecnocolonialidade, Docência Remota & a Covid-19. Campo Grande, MS: Life Editora, 2020.

BESSA-OLIVEIRA, Marcos Antônio. ARTE, CULTURA E EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE COM PERSPECTIVAS DOS ESTUDOS DE CULTURAS. Movimento-revista de educação, Submissões, n. 11, p. 100-136, nov. 2019. ISSN 23593296. Disponível em: <https://periodicos.uff.br/revistamovimento/article/view/32877>. Acesso em: 19 oct. 2020. doi:https://doi.org/10.22409/mov.v0i11.32877.

BESSA-OLIVEIRA, Marcos Antônio. Pedagogias da diversalidade. Cadernos de Estudos Culturais, Campo Grande, MS, v. 1, p. 61-86, jan./jun. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/cadec/article/view/9691. Acesso em: 19 out. 2020.

BESSA-OLIVEIRA, Marcos Antônio. “Para experimentar, formar, praticar, caminhar é preciso antes ser, sentir, saber bio-geo-grafias no ensino de artes”. In: XXVII Congresso Nacional da Federação de Arte/Educadores do Brasil ; V Congresso Internacional dos Arte/Educadores ; II Seminário de Cultura e Educação de Mato Grosso do Sul [recurso eletrônico] : anais / comissão organizadora, Caciano Silva Lima, Vera Lúcia Penzo Fernandes. – Campo Grande, MS: Federação de Arte/Educadores do Brasil, 2017, p. 240-256. Disponível em: https://faeb.com.br/admin/shared/midias/1510688060.pdf. Acesso 22 jun. 2018.

DUSSEL, Enrique D.. Método para uma filosofia da libertação: superação analética da dialética hegeliana. Tradução Jandir João Zanotelli. São Paulo: Edições Loyola, 1986.

DUSSEL, Enrique D.. Filosofia na América Latina. Filosofia da libertação. Tradução Luiz João Gaio. São Paulo: Edições Loyola; Piracicaba, SP: Editora UNIMEP, 1982.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários a Prática Educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

LORCA, Javier. O controle dos corpos e dos saberes. Entrevista com Walter Mignolo. Tradução: André Langer. In: Página/12, 08 de setembro de 2014, p. 1-3. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/noticias/533148ocontroledoscorposedossaberesentrevistacomwaltermignolo?tmpl=component&print=1&page=. Acesso em: 29 abr. 2016.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Transdisciplinaridade e decolonialidade. In: Sociedade e Estado – Volume 31, número 1, Janeiro/Abril 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/se/v31n1/0102-6992-se-31-01-00075.pdf>. Acesso em: 05/08/2019.

MIGNOLO, Walter D.. Habitar la frontera: Sentir y pensar la descolonialidad (Antología, 1999-2014). Francisco Carballo y Luis Alfonso Herrera Robles (Prólogo y selección). CIDOB – Center For International Affairs, Barcelona; colaboración de Universidad Autónoma de Ciudad Juárez (UACJ); Ciudad Juárez, Chihuahua, México, 2015.

MIGINOLO, Walter D.. Desafios decoloniais hoje. Tradução de Marcos de Jesus Oliveira. Revista Epistemologias do Sul. Foz do Iguaçu, PR. V.1, n.1, 2017, p. 12-32. Disponível em: https://revistas.unila.edu.br/epistemologiasdosul/article/download/772/645. Acesso em: 27 fev. 2020.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistémica: Retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad, y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2010.

MIGNOLO, Walter D.. Histórias locais/ Projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Trad. Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003. (Humanitas).

SOUZA, Eneida Maria de. Crítica cult. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002. (Humanitas).

NOLASCO, Edgar Cézar Nolasco. BabeLocal: lugares das miúdas culturas. Campo Grande, MS, Life Editora, 2010.

NOLASCO, Edgar Cézar. Descolonizando a pesquisa acadêmica: uma teorização sem disciplinas. Cadernos de Estudos Culturais: Tendências Artísticas do Século XXI, v. 1, n. 19, jan./jun., 2018, p. 9-21. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/cadec/article/view/7725. Acesso em: 20 abr. 2020.

QUIJANO, Aníbal. Aníbal Quijano: ensayos en torno a la colonialidad del poder. Compilado por Walter Mignolo. 1ª ed.. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2019. (El desprendimiento / Mignolo, Walter).

SANTOS, Boaventura de Sousa. Corpos, conhecimentos e corazonar. In: SANTOS, Boaventura de Sousa, O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. 1ª ed. 1. reimp. – Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019, p. 135-157.

SKLIAR, Carlos. Introdução – A escrita na escrita: Derrida e Educação. In: SKLIAR, Carlos. (Org.). Derrida & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2005, p. 9-34.

Publicado
2020-11-28