O Pnaic: discussões e análises a partir da formação docente

  • Maria Betânia de Castro Nunes Santos UFLA - Universidade Federal de Lavras.
Palavras-chave: PNAIC; Teacher Training; Mathematics

Resumo

O Pacto Nacional Pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), política pública implantada em todo o país em 2013, buscou contribuir para o desenvolvimento de ações com o objetivo principal de alfabetizar plenamente todas as crianças até os oito anos de idade. Por meio do presente texto, buscou-se entender quais as percepções das professoras alfabetizadoras participantes do PNAIC/2014 em Matemática com relação aos temas abordados e as propostas de atuação em sala de aula, apresentadas durante este curso de formação. O referencial teórico fundamentou-se em pesquisa bibliográfica direcionada à formação inicial e continuada do professor alfabetizador, com ênfase na formação de professores alfabetizadores em Matemática. Os dados coletados foram de natureza qualitativa, oriundos de uma entrevista semiestruturada, aplicadas a um grupo de oito professoras alfabetizadoras, participantes do PNAIC/2014, no município de Lavras – MG. A partir da coleta de dados foi possível identificar que o PNAIC, apesar de colaborar, não é suficiente para a formação das profissionais da educação, sendo necessário formação continuada e efetiva em Matemática e que, cursos como o PNAIC não são, por si só, capazes de mudar a Educação de forma imediata, mas que representam um importante passo de uma longa caminhada.

Biografia do Autor

Maria Betânia de Castro Nunes Santos, UFLA - Universidade Federal de Lavras.

Mestre em Educação, Secretaria Municipal de Educação de Lavras, Lavras, Minas Gerais, Brasil.

Referências

BIAZI, M. H. Formação continuada: a importância do professor se qualificar. Revista Eventos Pedagógicos, Sinop, v. 1, n. 1, p. 108-109, ago./dez. 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 867, de 4 de julho de 2012. Institui o Pacto pela Educação na Idade Certa e as ações do Pacto e define suas diretrizes gerais. Brasília, DF, 2012a. Disponível em: http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/2016/Portarias/PORTARIA_N_867_DE_4_DE_JULHO_DE_2012.pdf. Acesso em: 20 de mai. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 1.458, de 14 de dezembro de 2012. Define categorias e parâmetros para a concessão de bolsas de estudo e pesquisa no âmbito do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Brasília, DF, 2012b. Disponível em: http://www.pacto.gov.br. Acesso em: 22 de mai. de 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 369, de 05 de maio de 2016. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica - SINAEB. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 6 de maio 2016a. Seção 1, p. 26.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo escolar da educação básica 2016: notas estatísticas. Brasília, DF, 2017. (Notas Estatísticas - Censo Escolar 2016). Disponível em: http://www.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatisticas/2017/_censo_esco lar_da_educacao_basica_2016.pdf. Acesso em: 19 de mai. de 2020.

CARDOSO, M. Pnaic chega à reta final acenando resultados e desafios. Disponível em:
http://www.plataformadoletramento.org.br/em-revista-reportagem-detalhe/972/pnaic-chega- a-reta-final-acenando-resultados-e-desafios.html. Acesso em: 22 de mai. de 2020.

CAVALCANTE, D. P. de S.; VITURIANO, N. F. da S. Os desafios e perspectivas na formação do professor da educação infantil e ensino fundamental: semelhanças e diferenças entre as duas etapas da educação básica. 2016. Disponível em:
http://www.editorarealize.com.br/revistas/fiped/trabalhos/Trabalho_Comunicacao_oral_idin scrito_1340_1a278309e9af03c3cd1f0e84225d7981.pdf. Acesso em: 20 de mai. 2020.

CRUZ, S. P. da S.; BATISTA NETO, J. A polivalência no contexto da docência nos anos iniciais da escolarização básica: refletindo sobre experiências de pesquisas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 50, p. 385-499, maio/ago. 2012.

DOURADO, L. F. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos profissionais do Magistério da Educação Básica: concepções e desafios. Educação e Sociedade, Campinas, v. 36, n. 131, p. 299-324, abr./jun. 2015.

FONSECA, T. S. M. O professor homem nos anos iniciais do ensino fundamental: formação e feminização: questões de gênero? 2010. Disponível em:
http://wp.ufpel.edu.br/antoniomauricio/files/2015/02/cadernos-421x318.jpg. Acesso em: 20 mai. De 2020.

FREIRE. P. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. 14. ed. São Paulo: Olho d’Água, 2003.

GADOTTI, M. Boniteza de um sonho: ensinar e aprender com sentido. Novo Hamburgo: Feevale, 2003. Disponível em: http://www.feevale.br/Comum/midias/93aeebed-9c8b-4b56- 8341-22ac5cd3b501/Boniteza%20de%20um%20Sonho.pdf. Acesso em: 20 de mai. de 2020.

GATTI, B. A. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 37, p. 57-70, jan./abr.
2008.

JACOMINI, M. A.; CAMARGO, R. B. de. Carreira e salário do pessoal docente da educação básica: algumas demarcações. Educação em Foco, Juiz de Fora, ano 14, n. 17, p. 129-167, jul. 2011.

NACARATO, A. M.; MENGALI, B. L. S.; PASSOS, C. L. B. A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: tecendo fios do ensinar e do aprender. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

NÓVOA, A. Concepções e práticas de formação contínua de professores. In: . Formação contínua de professores: realidade e perspectivas. Lisboa: Universidade de Aveiro, 2002. p. 49-66.

TEIXEIRA, E. C. O. Papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. Salvador: Associação dos Advogados de Trabalhadores Rurais da Bahia, 2012. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/dados/cursos/aatr2/a_pdf/03_aatr_pp_papel.pdf. Acesso em: 23 mai. 2020.
Publicado
2020-08-12