Formação docente para as práticas educativas em língua inglesa para crianças: algumas considerações

  • Fernanda Cardoso Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
  • Antonio Marcos da Cruz Lima Universidade Federal de Matro Grosso (UFMT)
  • Fernanda Coelho Liberari Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC) - SP
Palavras-chave: Língua Inglesa para crianças, Formação de Professores, Ações Formativas, Grupos Colaborativos

Resumo

Este artigo tem por objetivo refletir e problematizar a atual realidade do ensino de Língua Inglesa para crianças no Brasil. O cenário desse ensino fomenta discussões a respeito dos silenciamentos do ensino e da aprendizagem de Língua Inglesa para os anos iniciais, bem como da formação de professores desta etapa do Ensino Fundamental, a qual necessita de atenção especial. A metodologia utilizada é de natureza qualitativa, ancorada no método (auto)biográfico e nos estudos com narrativas. Os dados foram produzidos a partir de entrevistas realizadas com três docentes que participaram das ações formativas nos grupos colaborativos de estudos de Língua Inglesa, realizadas no programa de mestrado no contexto de pesquisas com professoras pedagogas que não obtiveram formação para lecionar Língua Inglesa enquanto graduandas da referida licenciatura. Os excertos narrativos selecionados foram aqueles que evidenciaram as fragilidades formativas das professoras que dificultam suas práticas. Os dados foram coletados por meio de narrativas contidas nas entrevistas e analisados por unidades temáticas que denominamos de eixos. Os resultados apontam que ainda há questionamentos sobre o ensino de Língua Inglesa para crianças, no que concerne à formação de professores e à elaboração de políticas públicas voltadas ao ensino de língua estrangeira. Dessa forma, interpretamos que a temática merece maior atenção e sugerimos que o trabalho colaborativo entre professores da área de Letras e da área de Pedagogia pode propiciar propostas de formação contínua que auxiliem no sentido de amenizar as angústias dos professores a respeito de sua profissionalidade sobre o ensino de Língua Inglesa para crianças, uma vez que o conhecimento formativo não se mostra suficiente para se efetivar a docência.

 

Referências

ANDRÉ, M. Práticas inovadoras na formação de professores (Org.). Campinas- SP: Papirus, 2016.

AGRA, C. B.; IFA, S. A introdução da língua inglesa no EFI público à luz dos multiletramentos: Possibilidades e reflexões. . In: ROCHA, C. H.; TONELLI, R. A.; SILVA, K. A. (Orgs). Língua estrangeira para crianças: Ensino – aprendizagem e formação docente. Campinas, São Paulo: Pontes Editores, 2010, p. 63 – 93.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto – Portugal. Porto Editora LDA, 1994.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclo do Ensino Fundamental: língua estrangeira. Brasília, MEC/SEF, 1998.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 2006. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf. Acesso em: 10 jul. 2019.

______. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília, 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15548-d-c-n-educacao-basica-nova-pdf&Itemid=30192. Acesso em 16 jul. 2019.

______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/a-base/. Acesso em: 10 ago. 2019.

CARDOSO, F. M. Professoras Iniciantes e as Práticas de Língua Inglesa no Cotidiano da Profissão. 2018. 152 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso, Rondonópolis, 2018. Disponível em: https://www1.ufmt.br/ufmt/unidade/userfiles/publicacoes/f7788f5bce90ecfadf6267cac972690c.pdf. Acesso em: 15 ago. 2019.

CELANI, M. A. A. Formação de Professores de Línguas: rumos para uma sociedade crítica e sustentável. In: GIMENEZ, Telma; MONTEIRO, Maria Cristina de Góes (Org.). Formação de professores de línguas na América Latina e transformação social. Campinas, SP: Pontes Editores, 2010, p. Disponível em: http://pos.letras.ufg.br/up/26/o/formacao_professores.pdf. Acesso em: 18 set. 2017, p. 57-67.

CUNHA, M. I. Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, vol. 23, n° 1/2, p. 185-195 jan./dez. 1997. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rfe/article/view/59596/62695. Acesso em: 19 jul. 2019.

DELORY-MOMBERGER, C. As Histórias de Vida: da invenção de si ao projeto de formação. Tradução de Albino Pozzer. Natal: EDUFRN; Porto Alegre: EDIPUCRS; Brasília: EDUNEB, 2014.

DOMINICÉ, P. O processo de formação e alguns dos seus componentes relacionais. In:___. FINGER, Matthias; NÓVOA, António. O método (auto)biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010, p. 83-95.

______. Prefácio à Edição Francesa. In: DELORY-MOMBERGER, Christine. Biografia e Educação: Figuras do indivíduo-projeto. Tradução de Maria da Conceição Passeggi, João Gomes da Silva Neto, Luis Passeggi. 2ª ed. Natal, RN: EDUFRN, 2014, p. 21-31.

FERRAROTTI, F. Sobre a autonomia do método biográfico. In: ___. (org.). NÓVOA, António; FINGER, Mathias. O método (auto)biográfico e a formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010, p. 31-58.

______. História e história de vida. Tradução Carlos Eduardo Galvão e Maria da Conceição Passeggi. Natal, RN: EDUFRN, 2014.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

GHEDIN, E.; FRANCO, M. A. S.. Questões do método na construção da pesquisa em educação. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2011.

IMBERNÓN, F. Formação permanente do professorado: novas tendências. Tradução de Sandra Trabucco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2009.

LIMA, A. M. C; OLIVEIRA, A. C. As práticas reflexivas de professoras iniciantes com formação em grupos de pesquisa colaborativos. In: XIV Encontro de pesquisa em educação da região centro oeste – ANPED. Anais... Cáceres, MT, 2018.

LIMA, A. P. de; MARGONARI, D. M. A prática de ensino e a formação de professores de inglês para crianças. In: ROCHA, C. H.; TONELLI, R. A.; SILVA, K. A. (Orgs). Língua estrangeira para crianças: Ensino – aprendizagem e formação docente. Campinas, São Paulo: Pontes Editores, 2010, p. 187 – 202.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E.D. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: UPU, 1986.

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. Lisboa: Porto. 1992.

NÓVOA, A.; FINGER, M.. O método (auto)biográfico e a formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

PAIVA, V. L. M. Ol. A LDB e a legislação vigente sobre o ensino e a formação de professor de língua inglesa. In: STEVENS, C.M.T; CUNHA, M.J. Caminhos e colheitas: ensino e pesquisa na área de inglês no Brasil. Brasília: UnB, 2003, p. 53-84. Disponível em: http://www.veramenezes.com/ensino.htm. Acesso em: 10 jun. 2019.

PASSOS. L. F. Práticas formativas em grupos colaborativos: das ações compartilhadas à construção de novas profissionalidades. In: ANDRÉ, Marli (Org.). Práticas inovadoras na formação de professores. Campinas, SP: Papirus, 2016, p. 165-188.

PEREIRA, P.S.Os movimentos reflexivos presentes nas pesquisas do núcleo UFMS no projeto em rede observatório da educação. Revista Formação Docente. Belo Horizonte. V.09, n. 16. P. 95 – 108. Jan./ jun. 2017.

RAJAGOPALAN, K. Prefácio A língua Estrangeira para crianças: um tema no mínimo ambíguo. In: ROCHA; TONELLI; SILVA (Orgs.). Língua Estrangeira para Crianças: ensino-aprendizagem e formação docente. Campinas, SP: Pontes Editores, 2010, p. 9-12.

RICHARDS, J. C. Growing Up with TESOL. English Teaching Forum, v46, n1, p.2-11, 2008

ROCHA, C. H.; TONELLI, R. A.; SILVA, K. A. (Orgs). Língua estrangeira para crianças: Ensino – aprendizagem e formação docente. Campinas, São Paulo: Pontes Editores, 2010.

ROCHA, C.; LIBERALI, F. C. Ensino de línguas nos anos iniciais de escolarização: reflexões sobre bilinguismo e letramentos. In: RODRIGUES, André Figueiredo; FORTUNATO, Marina Pinheiro (Org.). Alfabetização e letramento: prática reflexiva no processo educativo. São Paulo: Humanitas, 2017, p. 127-144.

SILVA, A. P. da. Professores Iniciantes Egressos do Curso de Pedagogia e o Abandono da Carreira Docente no Município de Rondonópolis/MT. 2018. 110 f. Dissertação (Mestrado em Educação – Universidade Federal de Mato Grosso, Rondonópolis, 2018. Disponível em: https://www1.ufmt.br/ufmt/unidade/userfiles/publicacoes/ef97cfb2fdd9fac7e163fe1cabbd1b75.pdf. Acesso em: 15 ago. 2019

SZUNDY, P. T. C. Prefácio. In: TONELLI, J. R. A.; PÁDUA, L. S., OLIVEIRA, T. R. R. (Orgs).. Ensino e formação de professores de línguas estrangeiras para crianças no Brasil. Curitiba: Appris, 2017, p. 11-13.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2017.

TONELLI, J. R. A.; PÁDUA, L.S.; OLIVEIRA, R. R. O. (Orgs). Ensino e formação de línguas estrangeiras para crianças no Brasil. Curitiba, Paraná: Appris, 2017.
Publicado
2019-11-27