TECNOPOLÍTICAS DO CORPO PARA MANUTENÇÃO DO ESTADO DE EXCEÇÃO

LIMITES DA EDUCAÇÃO

  • Sueli Soares Santos Batista CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA
  • Emerson Freire CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA
Palavras-chave: Teoria Crítica e Educação, Educação e emancipação, Tecnopolítica e Dialética do Esclarecimento.

Resumo

Em um contexto em que o corpo, que se quer globalizado e homogeneizado, se vê investido como campo de batalha, dentro de uma lógica predador-caça potencializada pela racionalidade neoliberal, como conceber estratégias tecnopolíticas outras no plano educacional e formativo? Perante o atual estado das forças produtivas em que a ciência, a tecnologia e a educação estão subsumidas ao capital e capturadas pela lógica do desempenho;  em que as relações de trabalho se encontram medidas pelos pressupostos da flexibilização, polivalência e competências individuais, tudo isso sendo justificado e ampliado via desenvolvimento tecnocientífico, como é possível ainda pensar numa educação que, considerando a corporeidade, possa ser emancipatória? Na sua face de racionalidade instrumental, o esclarecimento no esforço pela matematização do conhecimento e da vida, produz técnicas que permitem organizar, calcular, esquadrinhar o tempo e o espaço. Neste sentido, há que se pensar que o esclarecimento tem suas contradições, ambivalências e limites como analisaram Horkheimer e Adorno na Dialética do Esclarecimento.  Nos limites deste estudo, também leva-se em conta a urgência em compreender a atualidade e o alcance do que Foucault designa como “tecnologia política do corpo”  e que lições pode-se aprender com essa compreensão para a educação num sentido emancipatório. A partir de um diálogo possível entre Foucault e a Teoria Crítica espera-se refletir sobre os limites da educação frente à manutenção do estado de exceção por meio da continuamente renovada tecnopolítica do corpo.

Biografia do Autor

Sueli Soares Santos Batista, CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

Realizou pós-doutorado no Departamento de História e Filosofia da Educação da Faculdade de Educação da Unicamp (2012). Possui mestrado (1997) e doutorado em Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (2002). Atualmente é professora e pesquisadora do Mestrado Profissional do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS). Coordena o Núcleo de Estudos em Tecnologia e Sociedade (NETS-Fatec Jundiaí) e o Grupo de Fundamentos da Educação Profissional e Tecnológica vinculado à pós-graduação. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Fundamentos da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação profissional e tecnológica, cultura e educação; teoria crítica; filosofia da educação, indústria cultural, arte e sociedade.

Emerson Freire, CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

doutor em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas e em Filosofia pela Université de Paris 1 - Panthéon Sorbonne - França, e concluiu seu mestrado em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas em 2002. Realizou pesquisa de Pós-doutorado no Departamento de Sociologia da Unicamp entre 2014 e 2016. Foi ganhador do Prêmio Rumos Pesquisa do Instituto ItaúCultural em seleção nacional, prêmio este destinado ao fomento de pesquisadores em artemídia. Atualmente é professor e pesquisador no Mestrado em Educação Profissional do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS) e na Fatec Jundiaí, onde coordena o Núcleo de Estudos de Tecnologia e Sociedade (NETS). Desde 2003 é pesquisador do Grupo CTeMe (Conhecimento, Tecnologia e Mercado), grupo vinculado à Unicamp. Possui experiência na área de Educação Profissional e Tecnológica, atuando nos temas: tecnologia, educação e sociedade; fundamentos da formação profissional e tecnológica; arte, cultura e educação tecnológica. Interessa-se pelas relações sociotécnicas produzidas no âmbito das produções artísticas que tematizam ou operam com as tecnologias contemporâneas, tendo artigos publicados e participado em eventos nacionais e internacionais sobre o assunto.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer. O poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2002

_______. Estado de exceção. Trad. Iraci Poleti. São Paulo, Ed. Boitempo, 2003.

BATISTA, Sueli S. S. Experiência e observação de Rousseau ao Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 4, p. 779-792, dez. 2011.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1987, 25a. Ed., p. 141-142.

_______. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

_______. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FREUD, Sigmund. O “estranho”. (1919). Obras completas. Vol. XVII. Rio de Janeiro, Imago. Ed., 1976.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie (1999). Teologia e messianismo no pensamento de W. Benjamin. Disponível em http://antivalor2.vilabol.uol.com.br/textos/frankfurt. Consultado em 04.02.07.

_______. História e cesura. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo, Perspectiva/Fapesp, 1994.

_______. Após Auschwitz. História, Memória, Literatura (o testemunho na era das catástrofes). Seligmann-Silva, M. (org,.). Campinas, Ed. Unicamp, 2003.

HORKHEIMER, M. e ADORNO, T.W. Dialetik der Aufklärung. Gesammelte Schriften Theodor W. Adorno, bd. 3. Frankffurt am Main, Suhrkamp Verlag, 1984.

_______. Dialética do Esclarecimento. Trad. Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro, Zahar Ed., 1985.

Nietzsche, F. Além do bem e do mal. Trad. Paulo César de Souza. 2a. edição. São Paulo, Cia. das Letras, 1996.

_______. Genealogia da Moral. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo, Cia. das Letras, 1999

ROUSSEAU, Jean Jacques. Emílio ou da Educação. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

_______. O contrato social. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

Publicado
2019-05-20