TECNOPOLÍTICAS DO CORPO PARA MANUTENÇÃO DO ESTADO DE EXCEÇÃO

LIMITES DA EDUCAÇÃO

Autores

  • Sueli Soares Santos Batista CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA
  • Emerson Freire CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

DOI:

https://doi.org/10.30905/ded.v3i1.129

Palavras-chave:

Teoria Crítica e Educação, Educação e emancipação, Tecnopolítica e Dialética do Esclarecimento.

Resumo

Em um contexto em que o corpo, que se quer globalizado e homogeneizado, se vê investido como campo de batalha, dentro de uma lógica predador-caça potencializada pela racionalidade neoliberal, como conceber estratégias tecnopolíticas outras no plano educacional e formativo? Perante o atual estado das forças produtivas em que a ciência, a tecnologia e a educação estão subsumidas ao capital e capturadas pela lógica do desempenho;  em que as relações de trabalho se encontram medidas pelos pressupostos da flexibilização, polivalência e competências individuais, tudo isso sendo justificado e ampliado via desenvolvimento tecnocientífico, como é possível ainda pensar numa educação que, considerando a corporeidade, possa ser emancipatória? Na sua face de racionalidade instrumental, o esclarecimento no esforço pela matematização do conhecimento e da vida, produz técnicas que permitem organizar, calcular, esquadrinhar o tempo e o espaço. Neste sentido, há que se pensar que o esclarecimento tem suas contradições, ambivalências e limites como analisaram Horkheimer e Adorno na Dialética do Esclarecimento.  Nos limites deste estudo, também leva-se em conta a urgência em compreender a atualidade e o alcance do que Foucault designa como “tecnologia política do corpo”  e que lições pode-se aprender com essa compreensão para a educação num sentido emancipatório. A partir de um diálogo possível entre Foucault e a Teoria Crítica espera-se refletir sobre os limites da educação frente à manutenção do estado de exceção por meio da continuamente renovada tecnopolítica do corpo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sueli Soares Santos Batista, CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

Realizou pós-doutorado no Departamento de História e Filosofia da Educação da Faculdade de Educação da Unicamp (2012). Possui mestrado (1997) e doutorado em Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (2002). Atualmente é professora e pesquisadora do Mestrado Profissional do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS). Coordena o Núcleo de Estudos em Tecnologia e Sociedade (NETS-Fatec Jundiaí) e o Grupo de Fundamentos da Educação Profissional e Tecnológica vinculado à pós-graduação. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Fundamentos da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação profissional e tecnológica, cultura e educação; teoria crítica; filosofia da educação, indústria cultural, arte e sociedade.

Emerson Freire, CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

doutor em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas e em Filosofia pela Université de Paris 1 - Panthéon Sorbonne - França, e concluiu seu mestrado em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas em 2002. Realizou pesquisa de Pós-doutorado no Departamento de Sociologia da Unicamp entre 2014 e 2016. Foi ganhador do Prêmio Rumos Pesquisa do Instituto ItaúCultural em seleção nacional, prêmio este destinado ao fomento de pesquisadores em artemídia. Atualmente é professor e pesquisador no Mestrado em Educação Profissional do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS) e na Fatec Jundiaí, onde coordena o Núcleo de Estudos de Tecnologia e Sociedade (NETS). Desde 2003 é pesquisador do Grupo CTeMe (Conhecimento, Tecnologia e Mercado), grupo vinculado à Unicamp. Possui experiência na área de Educação Profissional e Tecnológica, atuando nos temas: tecnologia, educação e sociedade; fundamentos da formação profissional e tecnológica; arte, cultura e educação tecnológica. Interessa-se pelas relações sociotécnicas produzidas no âmbito das produções artísticas que tematizam ou operam com as tecnologias contemporâneas, tendo artigos publicados e participado em eventos nacionais e internacionais sobre o assunto.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer. O poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2002

_______. Estado de exceção. Trad. Iraci Poleti. São Paulo, Ed. Boitempo, 2003.

BATISTA, Sueli S. S. Experiência e observação de Rousseau ao Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 4, p. 779-792, dez. 2011.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1987, 25a. Ed., p. 141-142.

_______. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

_______. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FREUD, Sigmund. O “estranho”. (1919). Obras completas. Vol. XVII. Rio de Janeiro, Imago. Ed., 1976.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie (1999). Teologia e messianismo no pensamento de W. Benjamin. Disponível em http://antivalor2.vilabol.uol.com.br/textos/frankfurt. Consultado em 04.02.07.

_______. História e cesura. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo, Perspectiva/Fapesp, 1994.

_______. Após Auschwitz. História, Memória, Literatura (o testemunho na era das catástrofes). Seligmann-Silva, M. (org,.). Campinas, Ed. Unicamp, 2003.

HORKHEIMER, M. e ADORNO, T.W. Dialetik der Aufklärung. Gesammelte Schriften Theodor W. Adorno, bd. 3. Frankffurt am Main, Suhrkamp Verlag, 1984.

_______. Dialética do Esclarecimento. Trad. Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro, Zahar Ed., 1985.

Nietzsche, F. Além do bem e do mal. Trad. Paulo César de Souza. 2a. edição. São Paulo, Cia. das Letras, 1996.

_______. Genealogia da Moral. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo, Cia. das Letras, 1999

ROUSSEAU, Jean Jacques. Emílio ou da Educação. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

_______. O contrato social. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

Arquivos adicionais

Publicado

2019-05-20

Como Citar

Santos Batista, S. S., & Freire, E. (2019). TECNOPOLÍTICAS DO CORPO PARA MANUTENÇÃO DO ESTADO DE EXCEÇÃO: LIMITES DA EDUCAÇÃO. Devir Educação, 3(1), 89–102. https://doi.org/10.30905/ded.v3i1.129