A AUTORIDADE LUTERANO-CALVINISTA COMO FUNDAMENTAÇÃO MORAL PARA A ESCOLA SEM PARTIDO A PARTIR DO EXPOSTO POR MARCUSE

  • Manoel Dionízio Neto Universidade Federal de Professor/Campina Grande (UFCG)
Palavras-chave: Marcuse, Lutero, Calvino, Escola Sem Partido, Autoridade.

Resumo

Herbert Marcuse, em seu livro Ideias sobre uma teoria crítica da sociedade, leva-nos a refletir sobre a concepção de autoridade em Lutero e Calvino como fundamento para se pensar a moral requerida pelo Movimento Escola Sem Partido. Para tanto, considere-se, por um lado, a concepção de liberdade desses reformistas, por outro, a concepção de educação e de escola desse Movimento. Assim, a fundamentação moral que se encontra no Movimento Escola Sem Partido funda-se na concepção de liberdade de Lutero e Calvino, quando nela está presente toda fundamentação moral que orienta o comportamento dos cristãos. Isto equivale a dizer que a orientação para a formação que se deve encontrar na escola proposta por esse Movimento segue as coordenadas do pensamento dos reformistas aqui em questão. Para se estabelecer a relação entre o que propõem este Movimento e o pensamento desses reformistas, busca-se o exposto por eles e os seus seguidores, assim como o que pensam diferentes educadores e críticos a respeito da significação para a formação humana, o que está posto em diferentes Projetos de uma escola, onde se tem que simplesmente obedecer sem questionamento o que for proposto (ou imposto) pela direção dessa escola ou gestores do ensino, considerando-se estes numa hierarquia que começa na referida direção escolar, estendendo-se à escala mais alta da administração governamental.

 

 

Biografia do Autor

Manoel Dionízio Neto, Universidade Federal de Professor/Campina Grande (UFCG)

Doutorado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (2004). Atualmente é Professor Associado III da Universidade Federal de Campina Grande. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Introdução à Filosofia, Filosofia da História, Filosofia da Ciência, Antropologia Filosófica e Filosofia da Educação, Filosofia da Medicina, atuando principalmente nos seguintes temas: liberdade, Iluminismo, filosofia da história, arte, ética, espaço, tempo, corpo, Kant, Rousseau, gestão escolar, gestão democrática, projeto político pedagógico, teoria crítica: Adorno, Horkheimer, Marcuse, fenomenologia e existencialismo: Sartre e Merleau-Ponty.

Referências

ABRUCIO, Fernando. Contra escola sem sentido. In: AÇÃO EDUCATIVA Assessoria, Pesquisa e Informação (Org.). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016. 168p.

BETTO, Frei. “Escola Sem Partido”? In: AÇÃO EDUCATIVA Assessoria, Pesquisa e Informação (Org.). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016. 168p.

CARA, Daniel. O Programa “Escola Sem Partido” quer uma escola sem educação. In: AÇÃO EDUCATIVA Assessoria, Pesquisa e Informação (Org.). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016. 168p.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 10. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

FRIGOTTO, Gaudêncio A gênese das teses do Escola sem Partido: esfinge e ovo da serpente que ameaçam a sociedade e a educação. In: FRIGOTTO, Gaudêncio (Org.). Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017. 144 p.

LUTERO, Martin. Da liberdade cristã. Tradução pelos Prof. Leônidas Boutin e o Pastor Heinz Soboll. 3. ed. São Leopoldo-RS: Sinodal, 1979.

MANHAS, Cleomar. Nada mais ideológico que “Escola Sem Partido”. In: AÇÃO EDUCATIVA Assessoria, Pesquisa e Informação (Org.). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016. 168p.

MARCUSE, Herbert. Idéias sobre uma teoria crítica da sociedade. Tradução por Fausto Guimarães. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981. 168 p. (Biblioteca de Ciências Humanas). Tradução de: Ideen zu einer kritischen Theorie der Gesellschaft.

RATIER, Rodrigo. 14 perguntas e respostas sobre o “Escola Sem Partido”. In: AÇÃO EDUCATIVA Assessoria, Pesquisa e Informação (Org.). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016. 168p.

SAKAMOTO, Leonardo. “Escola Sem Partido”: doutrinação comunista, coelho da páscoa e Papai Noel. In: AÇÃO EDUCATIVA Assessoria, Pesquisa e Informação (Org.). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016. 168p.

Sites consultados:

ESCOLA SEM PARTIDO. Por uma lei contra o abuso da liberdade de ensinar. Disponível em: https://www.programaescolasempartido.org/. Acesso em 17 de setembro de 2018.

INFOESCOLA. Navegando e Aprendendo. Movimento Escola sem Partido. Disponível em: https://www.infoescola.com/educacao/escola-sem-partido/. Acesso em 24 de setembro de 2018.

COMISSÃO ESPECIAL destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei nº 7180. PL 7180/14 - Escola Sem Partido. Disponível em: http://www.camara.leg.br/internet/comissoes/comissoes-especiais/historico/55/pl718014.pdf. Acesso em: 24 de setembro de 2018.

MATUOKA, Ingrid. Por que o Escola Sem Partido vai contra o papel da escola. Disponível em: http://educacaointegral.org.br/reportagens/por-que-o-escola-sem-partido-vai-contra-o-papel-da-escola/. Publicado em 24/05/2018. Acesso em: 23 de setembro de 2018.

Publicado
2019-05-20