O ORNITORRINCO RIDES AGAIN

O CRÍTICO DEVE TER ATUALIDADE BEM AGARRADA PELOS CHIFRES

  • Renato Franco UNESP-ARARAQUARA
Palavras-chave: Cultura e desigualdade de classes, Análise social da produção cultural brasileira, Cultura e subdesenvolvimento, Pensamento crítico brasileiro: Antonio Cândido e Roberto Schwarz, Teoria crítica no Brasil.

Resumo

O trabalho parte da análise de Roberto Schwarz sobre o mal-estar - originalmente identificado por Silvio Romero – na cultura brasileira a fim de demonstrar ser este resultante não de questões raciais, mas de vicissitudes da estrutura social do país, que comporta enorme desigualdade entre as classes. Em seguida, examina a permanência desse mal-estar realçando como tal desigualdade acarretou também a desigualdade cultural; ao mesmo tempo identifica as várias tentativas, historicamente situadas, de superá-lo. Nessa direção, destaca a mudança da “consciência amena do atraso” para a “consciência catastrófica do atraso”, apontada por Antonio Candido, vinculando a essa última a formação de uma consciência sobre o caráter subdesenvolvido do país e identificando criticamente os esforços desenvolvimentistas – sob o enfoque fornecido pela Teoria da Dependência – para superar tal condição. Nesse movimento analítico, o ensaio procura também conectar tal esforço com os movimentos culturais verificados especialmente na literatura brasileira e, em alguns casos, no cinema – sempre destacando a dificuldade das camadas populares de terem acesso à produção cultural mais significativa. Por fim, examina como o Estado Exterminista instalado no país após 1968 soterrou – ou dificultou enormemente – os esforços para superar tal mal-estar e condenou a maioria da população a consumir apenas aquilo que Adorno chamou de “semicultura”. O trabalho termina questionando quais rumos seriam hoje possíveis para a produção cultural desejosa de voltar a enfrentar o problema.

Biografia do Autor

Renato Franco, UNESP-ARARAQUARA

Professor livre docente (aposentado) da Faculdade de Ciências e Letras -  UNESP  Araraquara. Doutorado em letras (estudos literários) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Coordenador do GEP Teoria Crítica: tecnologia, cultura, formação na UNESP. Coordenador editorial da Coleção Teoria Crítica - Editora Nankin, São Paulo.

Referências

ARANTES, Paulo Eduardo. O novo tempo do mundo. São Paulo: Editora Boitempo, 2014.

ARANTES, Paulo Eduardo. Zero à esquerda. São Paulo: Ed. Conrad, 2004.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas, vol. 1, São Paulo: Ed Brasiliense, 1985.

BERNADET, Jean-Claude. O que é o cinema. São Paulo: Ed. Brasiliense, coleção Primeiros Passos. 1981.

CANDIDO, Antônio. A Educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Editora Ática, 1987.

DE HOLANDA, Heloísa Buarque, Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde: 1960/70. 2. ed. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1981.

FRANCO, R. Itinerário político do romance pós – 1964: A Festa. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

FRANCO, Renato Bueno. Censura e modernização cultural à época da ditadura. Revista Perspectivas, Editora UNESP, São Paulo, v. 20-21, p.77-92, 1997-1998.

FRANK, Andre Gunder. O desenvolvimento do subdesenvolvimento. Originalmente publicado em Monthly Review, v. 18, n. 4, set. 1966.

GOMES, Paulo Emilio Salles. Cinema: trajetória no subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Embrafilme/Ed. Paz e Terra, 1980.

NOVAES, Fernando. Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial (1777-1808) São Paulo: Ed. Hucitec, Coleção estudos históricos, 1979.

SCHWARZ, Roberto. O Pai de família e outros estudos. Rio de janeiro: Editora Paz e Terra, 1978.

SCHWARZ, Roberto. Que Horas são? Ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

SCHWARZ, Roberto. Sequências brasileiras. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 1999.

VIRILIO, Paul; LOTRINGER, Sylvere. Guerra Pura: a militarização do cotidiano. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1984.

Publicado
2019-05-20