REFLEXÕES SOBRE A FACE OBSCURA DO PRECONCEITO E VIOLÊNCIA NA ESCOLA

  • Cândida Alayde de Carvalho Bittencourt UEL
Palavras-chave: Educação, Preconceito, Violência.

Resumo

Discutir a relação entre o preconceito racial e a educação a partir de estudos sobre o preconceito racial na escola, procurando identificar os elementos intrínsecos ao preconceito, presentes nas relações sociais e nas instituições educativas e como eles se constituem na atualidade é uma necessidade premente. A escola, em relação as questões raciais, apresenta ambiguidades, pois, de um lado é vista como um caminho no processo de mobilidade social, e por outro é espaço de relações inter-raciais desfavoráveis para as crianças negras. Entendendo que numa sociedade de classes que produz e reproduz diferenças, o debate acerca de uma educação inclusiva fomenta questões significativas para se pensar a formação cultural e social brasileira, assim como a estrutura educacional que pode criar e recriar relações de discriminação e de preconceito. Dessa forma, é necessário um olhar crítico para desvelar a forma como as práticas permeadas de preconceito e pensamento preconceituoso são construídas no espaço escolar, pois a escola é uma instituição constantemente desafiada por práticas que produzem e reproduzem os conflitos sociais, evidenciando preconceitos, dominação, alienação, intolerâncias e racismos. Para romper esse ciclo é necessário, segundo Horkheimer e Adorno (1985), livrar os homens, das trevas da ignorância e possibilitar a compreensão da sociedade e da cultura, exercendo prática pedagógica crítica que contribua para a transformação social, o esclarecimento e a emancipação.

Biografia do Autor

Cândida Alayde de Carvalho Bittencourt, UEL

Pós-doutorado na Université de Genève - Faculté de Psychologie et des sciences de l'education (2015). Doutorado em educação: história, política, sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2008). Mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2002). Graduação em pedagogia pela Universidade Federal do Paraná (2012). Graduação em licenciatura plena em educação artística pela universidade federal de pelotas (1984). Atualmente é professora associada da Universidade Estadual de Londrina. Tem experiência na área de artes e educação, com ênfase em formação de professores, arte-educação, arte, educação, formação continuada.

Referências

ADORNO, T.W. et all. The Authoritarian Personality. Nova York, Harper, 1950.

ALEXANDRE, I.J. Relações raciais: um estudo com alunos, pais e professores. Cuiabá: UFMT, 2009.

BAUMAN, Z. Modernidade e holocausto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BLUMER, H. The nature of racial prejudice. Social Process in Hawai. Honolulu, v 5, 1939.

CAVALLEIRO, E.S. Introdução. In: Educação anti-racista caminhos abertos pela Lei 10.639/03. Brasília, SECAD, 2005.

CROCHIK. J.L. Preconceito: indivíduo e cultura. São Paulo: Robe, 1997.

FERNANDES, F. In: BASTIDE, R. & FERNANDES, F. Brancos e negros em São Paulo. São Paulo: Anhembi, 1971.

HASENBALG, C.A. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

IANNI, O. Dialética das relações raciais. Estudos Avançados. V. 18 n 50, São Paulo: Jan/Apr 2004.

HORKHEIMER, M. & ADORNO, T.W. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

HORKHEIMER, M. & ADORNO, T.W. Preconceito. In: Temas Básicos da Sociologia. São Paulo: Cultrix, 1978.

LEIRIS, M. Origem e evolução dos dogmas da desigualdade de homens e raças. Correio da Unesco. Rio de Janeiro: ano 12, n 1, jan 1984.

MELLO & SOUZA, A.C. Racismo: crime ontológico. In: Revista Ethnos Brasil: cultura e sociedade, ano 1, nº 1, mar 2002.

NOGUEIRA. O. O estatuto de puritate sanguinis e o racismo brasileiro. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, Vitória, nº 39, 1989.

NOGUEIRA, O. "Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem – sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil". In: QUEIROZ, T.A. Tanto preto quanto branco; estudos de relações raciais. São Paulo: Edusp, 1985.

PINTO, R. P. Movimento negro e educação do negro: a ênfase na identidade. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas/Cortez (86), ago. 1993.

RAMOS, G. Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: ANDES, 1957.

WEDDERBURN, C. M. O racismo através da história: da antiguidade à modernidade. Copyright 2007 @ Carlos Moore Wedderburn. Disponível em pdf.

Publicado
2019-05-20