A SEMIFORMAÇÃO COMO FORMA DOMINANTE DA CONSCIÊNCIA CONTEMPORÂNEA

REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO

Palavras-chave: Semiformação, Indústria cultural, Educação, Distração concentrada.

Resumo

A partir de uma decifração crítica da realidade presente, que busca desvendar o que já foi realizado e o que se está realizando, buscaremos enfocar nesta breve análise, algumas perspectivas da Teoria Crítica de Theodor Adorno e Max Horkheimer (1973, 1985, 1993, 1995, 1996, 2002, 2018), dando especial atenção às dimensões da semiformação e da indústria cultural. Para tal, travaremos um diálogo com Engels (1876), Foucault (2009) e Saviani (2012); além dos pesquisadores Maar (2003), Pucci (1997) e Zuin (2014). Tais vertentes teóricas se mostram importantes, pois buscam compreender como se processam os mecanismos de controle em uma sociedade, cujas produções culturais mediatizam a semiformação. Em um cenário de tecnologias virtuais, onde as ações são padronizadas pelo excesso de estímulos audiovisuais e pelos hiperlinks, como forma de retificar o controle através da distração concentrada, cabe à educação buscar uma forma de mediar tais arroubos. Por isso, tendo em vista o atual contexto histórico, cuja relação entre trabalho, tecnologia, cultura digital e as relações entre os indivíduos, se veem cada vez mais colapsadas por uma cultura do excesso, buscaremos verificar como tais relações se materializam no contexto social, culminando no papel transformador da educação.

Biografia do Autor

André Plez Silva, Universidade São Francisco

Doutorando em Educação pela Universidade São Francisco (USF). Mestre em Linguística pela Universidade de Franca. Atualmente é Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico, em regime de Dedicação Exclusiva, no Instituto Federal São Paulo, Campus São João da Boa Vista. Possui Licenciatura Plena em Letras - Habilitação Português / Inglês pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de São José do Rio Pardo (2008). Licenciatura Plena em Língua Espanhola pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de São José do Rio Pardo (2009). Pós-graduação lato sensu em Linguística e Literatura, pela FACAB - Faculdade Casa Branca (2009). Membro pesquisador do Grupo de Pesquisas de Estudos bakhtinianos dos gêneros do discurso (GEBGE). Escritor: romancista, contista e poeta (prêmios estaduais (SP) e nacionais). Romances: "Tratando sombras com ternura" (2012); "Os insones" (2013); Exagerados encantos de Elena" (2016). Poemas: "A coisa em si" (2008); "O sentido nos degraus" (2014).

Milena Moretto, Universidade São Francisco

Possui graduação em Letras, Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade São Francisco. É professora no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação da Universidade São Francisco. Participa do grupo de pesquisa ALTER-AGE da Universidade de São Paulo, ALTER-LEGE da Universidade São Francisco e Relações de ensino e trabalho docente da Universidade São Francisco. É coordenadora do Programa de Leitura e do Programa de Formação Geral da Universidade São Francisco. 

Referências

ADORNO, Theodor. (1965-1966) Educação após Auschwitz. In: Educação e Emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1995

ADORNO, Theodor. Minima Moralia: Reflexões a partir da vida danificada. São Paulo: Ática, 1993.

ADORNO, Theodor. Teoria da semicultura. In: Revista Educação e Sociedade (impressa). Campinas: Unicamp, n. 56, p. 388:411. Disponível em: Acesso em: 10 jun. 2018.

ADORNO, Theodor. Teoria da Semicultura. In: Educação e Sociedade. Campinas: Papirus, 1996.

ADORNO; Theodor; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento – Fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1985.

ADORNO; Theodor; HORKHEIMER, Max. Temas básicos de sociologia. São Paulo: Cultrix, 1973.

ADORNO; Theodor; HORKHEIMER, Max. A indústria cultural: o iluminismo como mistificação de massas. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da cultura de massa. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

ARISTÓTELES. "Ética a Nicômaco". In: Os Pensadores, Vol. IV. São Paulo: Abril Cultural, 1993.

ENGELS, Friedrich. Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem. Edição Ridendo Castigat Mores, 1876, p. 1-33 Disponível: http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/macaco.pdf. Acesso em: 11 mai. 2018.

FREITAG, Bárbara. Política educacional e indústria cultural. São Paulo: Editora Cortez, 1987.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2009.

KLEIN, Melanie; HEIMANN, Paula; ISAACS, Susan; RIVIERE, Joan. Os progressos da psicanálise. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

MAAR, Wolfgang Leo. Adorno, Semiformação e Educação. In: Revista Educação e Sociedade. V. 4, n.83. Campinas, agosto de 2003. Disponível em: . Acesso em: 29 mai. 2018.

MARX, Karl. ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista–Porto Alegre: L&PM, 2001.

PUCCI, Bruno.; ZUIN, Antônio Soares; OLIVEIRA, Newton Ramos. Filosofia negativa e Educação: Adorno. Filosofia, sociedade e educação, UNESP - Marília, v. 1, n. 1, p. 163-192, 1997.

SAVIANI, Demerval. Marxismo, Educação e Pedagogia. In: SAVIANI, D.; DUARTE, N. (orgs.) Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas: Autores Associados, 2012.

PUCCI, Bruno. A escola e a semiformação mediada pelas novas tecnologias, Piracicaba: PPGE/UNIMEP, 2004. (publicação interna). Disponível em: . Acesso em: 29 mai. 2018.

ZUIN, Antônio. A cultura digital, a semiformação e o novo elo pedagógico. Interação (UFG. Impresso), v. 39, p. 1-14, 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 mai. 2018.
Publicado
2019-05-20