Formação docente continuada: ensino hibrido e sala de aula invertida como recurso metodológico para o aprimoramento do profissional de educação

  • Agnes Priscila Martins de Morais Universidade Federal de Lavras - UFLA
  • Priscila Franciely Souza Universidade Federal de Lavras - UFLA
Palavras-chave: Ensino Híbrido; Sala de Aula Invertida; Formação de Professores; Metodologias Ativas.

Resumo

O presente artigo elege como objeto de estudo a formação docente continuada e o uso das tecnologias digitais e das Metodologias Ativas: sala de aula invertida e ensino híbrido como recurso metodológico para o aprimoramento do docente. Parte-se do pressuposto de que no atual contexto social o ensino convencional deve ser repensado, para que seja capaz de promover que os alunos sejam sujeitos ativos e autônomos do seu próprio processo de ensino-aprendizagem. Observa-se que o paradigma educacional necessita de transformações, assim como as decorrentes mudanças na sociedade devido ao uso das tecnologias digitais cada vez mais presentes. Desse modo, o presente trabalho tem como objetivo evidenciar a relevância da formação docente continuada para com o trabalho com as tecnologias digitais e uma mudança em sua prática pedagógica mediante ao trabalho com as Metodologias Ativas. Para a consecução deste estudo proposto, foi realizada uma pesquisa teórica que buscou embasamentos fundamentais para promover tal reflexão. Nesse sentido, o trabalho se justifica pela necessidade de propor uma reflexão sobre a importância das TDIC e as Metodologias Ativas para uma formação de alunos autônomos, mais críticos e reflexivos contribuindo com a sua formação cidadã. A reflexão deste estudo teve como pretensão incentivar futuros pesquisadores a utilizarem em suas aulas recursos mais interativos visando outras direções em relação ao ensino-aprendizagem.

Biografia do Autor

Agnes Priscila Martins de Morais , Universidade Federal de Lavras - UFLA

Mestre em Educação, Universidade Federal de Lavras, Divinópolis, Minas Gerais, Brasil.

Priscila Franciely Souza, Universidade Federal de Lavras - UFLA

Mestre em educação, Universidade Federal de Lavras, Lavras, Minas Gerais, Brasil.

Referências

BAGNO, Marcos. Pesquisa na escola. Edições Loyola, 23º ed. 2009.

BARBOSA, E. F.; MOURA, D. G. DE. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. Boletim Técnico do Senac, v. 39, n. 2, p. 48-67, 2013.

BERBEL, N. A. N.. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina. Ciências Sociais e Humanas (Online), v. 32, p. 01-25, 2011.

BORGES, T. S.; ALENCAR, G. Metodologias ativas na promoção da formação crítica do estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do ensino superior. Cairu em Revista. Jul/Ago 2014, Ano 03, n° 04, p. 1 19-143 , ISSN 22377719.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 126 p. Disponível em: Acesso em: 11 jan. 2010.

FREITAS, V. P.; CARVALHO, R. B. ; GOMES, M. J. ; FIGUEIREDO, M. C. ; SILVA, D. D. F. . Mudança no processo ensino-aprendizagem nos cursos de graduação em odontologia com utilização de metodologias ativas de ensino e aprendizagem.. Revista da Faculdade de Odontologia. Universidade de Passo Fundo, v. 14, p. 163-167, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

GEMIGNANI, E.Y.M.Y. Formação de Professores e Metodologias Ativas de Ensino-Aprendizagem: Ensinar Para a Compreensão. Fronteiras da Educação (online), v. 1, p. 1-27, 2012.

GERHARDT, Ana Flávia Lopes Magela. As identidades situadas, os documentos curriculares e os caminhos aberto para o ensino de língua portuguesa no Brasil. In__________. AMORIM, Marcelo Álvaro, CARVALHO, Álvaro Monteiro (Orgs). Linguística Aplicada e Ensino: Língua e Literatura. Campinas, SP: Pontes,2013.p.77-113.

GOMES, A. P.; ARCURI, M. B. ; CRISTEL, E. C. ; RIBEIRO, R. M. ; SOUZA, L. B. M. ; SIQUEIRA-BATISTA, R. . Avaliação no Ensino Médico: o papel do portfólio nos currículos baseados em metodologias ativas. Revista Brasileira de Educação Médica (Impresso), v. 34, p. 390-396, 2010.

IMBERNÓN, Francisco. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

LÉVY, Pierre. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. SãoPaulo: Paulus, 2010. _. Cibercultura. São Paulo: Editora, v. 34, 1999.

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2010. ______. Pedagogia e pedagogos, para quê? 10. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

MAGALHÃES, Luciane Manera. Modelos de educação continuada: os diferentes sentidos da formação reflexiva do professor. A formação do professor: perspectivas da Linguística Aplicada. Campinas, SP: Mercado de Letras, p. 239-259, 2001.

MITRE, S. M. Metodologias ativas de ensino aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva, 13 (Sup 2), 2008.

MORAN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens, Vol. II, Carlos Alberto de Souza e Ofelia Elisa Torres Morales (orgs.). PG: Foca Foto-PROEX/UEPG, p. 15-33, 2015.

MORAN, José Manuel. Educação inovadora na Sociedade da Informação. ANPEDE. São Paulo, 2006.

SILVA PINTO, S. A.; et al. Inovação Didática-Projeto de Reflexão e Aplicação de Metodologias Ativas de Aprendizagem no Ensino Superior: uma experiência com “peer instruction”. Janus, Lorena, ano 6, n. 15, 1jan./jul., 2012.

SOUSA, Maria Goreti da Silva. A formação continuada e suas contribuições para a profissionalização de professores dos anos iniciais do ensino fundamental de Teresina- Pi: revelações a partir de histórias de vida. 2008, 130 f. Dissertação (Mestrado em Educação –UFPI)

SOUZA, C. F. Aprendizagem sem distância: tecnologia digital móvel no ensino de língua inglesa. Revista Texto Livre, v. 8, p. 39-50, 2015.

VALENTE, José Armando. A comunicação e a educação baseada no uso das tecnologias digitais de informação e comunicação. UNIFESO-Humanas e Sociais, v. 1, n. 01, p. 141-166, 2014.
VALENTE, José Armando. Aspectos críticos das tecnologias nos ambientes educacionais e nas escolas. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 2, n. 3, p. 11-28, 2018.

VALENTE, José Armando et al. O computador na sociedade do conhecimento. Campinas: Unicamp/NIED, v. 6, 1999.

VALENTE, J. A. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 4/2014, p. 79-97. Editora UFPR.

VOLPI, Marina Tazón. A formação de professores de língua estrangeira frente aos novos enfoques de sua função docente. O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. Pelotas: Educat, p. 125-133, 2001.

WALL, M. L.; PRADO, M. L. ; CARRARO, T. E. A experiência de realizar um Estágio Docência aplicando metodologias ativas. Acta Paul Enferm. 2008;21(3):515-9.
Publicado
2020-08-12