A afetividade nos documentos oficiais da educação infantil: uma questão a ser explorada

  • Gabriela de Castro Loech Amorim UNITAU - Universidade de Taubaté
  • Ana Maria Gimenes Correa Calil UNITAU- Universidade de Taubaté
Palavras-chave: Educação Infantil, Afetividade, Documentos Legais, Formação Docente

Resumo

Este artigo, que trata da afetividade no espaço da Educação Infantil, utilizou-se do conceito de afetividade, bem como de documentos legais mandatórios ou de aspectos sugestivos acerca de ações e condutas a serem tomadas pelos órgãos e responsáveis pela primeira infância. Teve como objetivo apresentar e aclarar tais documentos, convidando oito professores de uma escola de Educação Infantil à reflexão sobre a dimensão afetiva abordada nas leis que regem e direcionam essa etapa da escolarização. Essa ação deu-se no cômputo de uma pesquisa-formação com duração de seis meses, a qual elegeu a teoria walloniana como fundamento ao conceito da afetividade e tomou como base a Constituição Federal (1988), o ECA (1990), a LDB (1996) e a BNCC (2017). Os resultados revelaram que os professores de Educação Infantil não apresentam grande interesse pelas leis que regem a primeira infância, todavia relatam que não existem muitas oportunidades, dentro do ambiente escolar, para que esses documentos sejam partilhados em formações. No que tange à concepção da afetividade, quanto ao desenvolvimento integral da criança, apesar de percebermos a intencionalidade dos documentos em trazer esse tema, somente com a BNCC (2017) a atenção para essa temática parece ter conquistado destaque junto aos professores que participaram da pesquisa

 

Biografia do Autor

Gabriela de Castro Loech Amorim, UNITAU - Universidade de Taubaté

Mestre em Educação pela Universidade de Taubaté- UNITAU. Pedagoga e Pós-Graduada em Gestão e
Coordenação Educacional, Atualmente é gestora na Rede Municipal de Ensino de Taubaté-SP.

Ana Maria Gimenes Correa Calil, UNITAU- Universidade de Taubaté

Doutora em Educação pela PUC-SP; Universidade de Taubaté - UNITAU - SP; Taubaté – SP

Referências

BASTOS, Alice. Henry Wallon: psicologia e educação. In: MAHONEY, A.A.; ALMEIDA, L.R. (Org.). Henry Wallon: psicologia e educação. São Paulo: Loyola, 2012. p. 39-49.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988.

______.Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB nº 01/1999. Brasília: MEC/CNE/CEB, 1999.

______. Lei nº. 9.394, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 20 de dezembro de 1996.

______. Lei nº 13.257, Estatuto da Criança e do Adolescente de 8 de março de 2016. altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990

______. Lei nº. 9.394, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. de 20 de dezembro de 1996.

______. Ministério da Educação e do Desporto. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

______. Lei n. 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2001.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer CNE/CEB nº 20, de 11 de novembro de 2009. Revisão das Diretriz Curricular Nacional para Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEB, 2009.

_______.Parecer CNE/CEB nº 7- Profissionais da Educação Infantil aprovado em 2 de junho de 2011.

_____. Resolução CNE/CP Nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Brasilia. DF: CNE, 2017.

_____. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica Parâmetros Nacionais de Qualidade para Educação Infantil. Brasília. DF, 2018.

CANÁRIO, R. A escola: lugar onde os professores aprendem. Psicologia da Educação. Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: PUC-SP, n. 06, 1998.

GATTI, B.; ELBA, S.; ANDRÉ, M.; ALMEIDA,A. Professores do Brasil: novos cenários de formação– Brasília: UNESCO, 2019.

GRATIOT-ALFANDDÉRY, H. Henry Wallon. Recife: Massangana, 2010.

MAHONEY, A. A.; ALMEIDA, L.R. A constituição da pessoa na proposta de Henri Wallon. São Paulo: Loyola, 2004.

______. (Org.). Henri Wallon: Psicologia e Educação. 10. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

______. Afetividade e aprendizagem: contribuições de Henri Wallon. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2007

MARCELO, C. O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Belo Horizonte, v. 02, n. 03, p. 11-49, ago./dez. 2010. Disponível em http://formacaodocente.autenticaeditora.com.br

NÓVOA, A. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa v.47 n.166 p.1106-1133, out/dez. 2017.

SHULMAN, L. Conhecimento e ensino: fundamentos para nova reforma. Cadernos Cenpec. São Paulo, São Paulo, v.4 , n.2 . p.196-229, dez. 2014.

WALLON, H. Do acto ao pensamento. Lisboa: Moraes Editores, 1979.

______. A evolução psicológica da criança. Lisboa: Edições 70, 1981/1995.

______. Psicologia e educação da criança. Lisboa: Veiga, 1979.
Publicado
2020-06-02